O País – A verdade como notícia

Médicos paralisam actividades em Angola e exigem melhores condições de trabalho

Os serviços de urgências dos hospitais da cidade de Luanda, capital de Angola, estiveram abarrotados, ontem, devido à greve dos médicos. Os profissionais suspenderam as actividades em protesto contra más condições de trabalho.

Vários médicos angolanos estão em greve por tempo indeterminado, a partir desta segunda-feira, em Luanda. O impacto já se faz sentir em alguns hospitais, apesar da garantia dos serviços mínimos prestados por 25 por cento da equipa médica disponível.

Pacientes e familiares queixaram-se da morosidade no atendimento e das condições de acomodação dos hospitais públicos, onde o número de doentes nas urgências duplicou no primeiro dia de greve dos médicos.

Durante a paralisação de actividades, os trabalhos nas enfermarias, seminários, internatos de especialidade, admissão e alta de pacientes estão suspensos, assim como emissão de atestados médicos, relatórios e certificados de óbitos.

Entre várias exigências, os profissionais de saúde exigem melhoria no sistema de saúde, melhoria salarial e humanização na relação consigo próprios. Segundo a classe, desde Setembro passado que o Governo não responde ao caderno de reivindicações.

Esta é a segunda greve, em três meses. A primeira paralisação, por uma semana, aconteceu em Dezembro do ano passado.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos