O País – A verdade como notícia

Marrocos lidera inquérito sobre violação Direitos Humanos na Líbia

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos,  Michelle Bachelet, nomeou, no dia 19, Mohamed Aujjar, antigo Ministro e Diplomata marroquino, para o posto de Presidente da Missão do Inquérito Independente sobre a Líbia.

Para além de Mohammed Aujjar, na qualidade de Presidente, esta Missão, criada pelo Conselho dos Direitos do Homem, a 22 de Junho de 2020,  afim de fornecer toda a documentação sobre as alegações de violações dos Direitos humanos e do Direito Internacional humanitário, para todas as partes envolvidas no conflito em Líbia, desde 2016 é composta por Tracy Robinson (Jamaica) e Chaloka Beyani (Zâmbia).

Este novo órgão de especialistas comprovados e reconhecidos internacionalmente, terá como missão primária lutar, eficazmente, contra a impunidade generalizada sobre os abusos cometidos e as violações dos Direitos Humanos.

A mesma deverá, igualmente, servir de ferramenta para prevenir nova onda de violações e contribuir também na garantia da paz e estabilidade da Líbia.

De recordar que na declaração feita  aquando da nomeação de Aujjar, Michelle Bachelet indicou que “as execuções sumárias, as torturas e  os maus tratos, a violência  contra o género, incluindo a violação sexual ligada  aos conflitos, os sequestros, os desaparecimentos forçados, assim como a incitação à violência nas redes sociais prosseguem num clima de total impunidade na Líbia”.

Deste modo, Bachelet falou da deteorização da  situação de segurança na Líbia e da ausência de um sistema judiciário funcional, sublinhando a importância do trabalho em equipa por parte dos investigadores independentes para a documentação das violações dos Direitos humanos na Líbia.

A Missão deverá fazer um relatório oral junto do Conselho dos Direitos Humanos, em Setembro de 2020, e outro relatório escrito em 2021, sobre a situação dos Direitos do Homem na Líbia, nomeadamente, sobre os esforços levados ao cabo para prevenir as violações e os abusos dos Direitos Humanos e fazer com que os responsáveis se deem conta das diversas recomendações.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos