O País – A verdade como notícia

Mambas… que seja pela honra

Fotos: FMF/CAF/Cosafa

A selecção nacional de futebol defronta amanhã, quando forem 15h00 de Maputo, o Malawi, em partida da última jornada do grupo D de qualificação ao Mundial 2022, numa partida em que somente a honra conta. Os Mambas procuram não terminar em último lugar no grupo e precisam vencer os malawianos para alcançar seu objectivo.

Será no Stade d’Almitié, em Cotonou, Benim, como anfitriões, que os Mambas vão receber o Malawi para a derradeira partida da fase de grupos de apuramento ao Mundial do Qatar. Não se joga pela qualificação à terceira e última fase da zona africana, mas pela honra, pelo menos para não terminar na última posição do grupo.

Com apenas um ponto, há esta possibilidade de não terminar na cauda, bastando para tal vencer os malawianos na partida desta tarde, para passar a somar quatro pontos, contra os três do seu adversário.

Em termos anímicos os Mambas estão melhores, tendo em conta os últimos acontecimentos, nomeadamente a chegada da nova equipa técnica e a integração de jogadores preponderantes, algo que não existia em Setembro, quando defrontaram este mesmo adversário, com o qual perderam à tangente, na África do Sul, também casa emprestada dos malawianos.

Chiquinho Conde está ciente da responsabilidade deste jogo e assume que é imperioso vencer, como forma de responder aos anseios dos moçambicanos, depois de não ter conseguido um bom resultado diante da Costa do Marfim.

“Temos que saber que o Malawi também tem legitimidade de querer terminar em terceiro”, disse Chiquinho Conde no final do jogo com os “Elefantes”, a justificar o facto de se pensar que será uma vitória assegurada diante do Malawi.

Outrossim, segundo Chiquinho Conde, “Malawi é outra equipa, com outra forma de jogar”. Ainda assim, o seleccionador nacional diz reconhecer que a nível individual os Mambas tem melhores jogadores que os Flames, mas “a equipa deles está melhor estruturada”, até porque não mudaram a equipa técnica e os Mambas trocaram recentemente.

Apesar do pouco tempo de trabalho, estar a implementar novas ideias de jogo, nova dinâmica de jogar e perceber o jogo, há algo que tranquiliza Chiquinho Conde e que espera que assim seja na partida desta terça-feira: “que os jogadores não tenham medo de errar, que joguem com prazer e determinação, porque assim as coisas vão funcionar”.

 

MOTIVAÇÃO DE 1997 DEVE CONTAR ESTA TARDE

No confronto directo com o Malawi, o equilíbrio tem sido a nota dominante, olhando para os resultados entre ambos. Moçambique venceu por 11 ocasiões, perdeu 10 jogos e ainda há registo de nove empates.

Das 11 vitórias alcançadas pelos Mambas diante dos Flames a maior delas foi em 1997, no Estádio da Machava, quando venceu por duas bolas a uma e garantiu a qualificação ao CAN de 1998, na Burquina Faso. Os malawianos estavam a vencer desde à entrada da segunda parte, antes de Adelino empatar a quatro minutos do final. Malawi precisava de um empate para se qualificar, mas Tico-Tico, aos 91 minutos, revirou o resultado e colocou os Mambas na fase final do CAN.

Mas mais do que essa vitória memorável, nos últimos cinco jogos entre as duas selecções, os Mambas venceram três, empataram um e perderam um, o último deles, em Setembro deste ano.

Há que frisar que a maior parte dos jogos entre Moçambique e Malawi foram amigáveis e do torneio regional da Cosafa.

 

“ONZE” DOS MAMBAS PODE SOFRER ALTERAÇÕES

No que à equipa principal diz respeito e em função do adversário desta tarde, Chiquinho Conde pode promover alterações, tendo em conta a acção ofensiva que vai querer adoptar.

Se diante da Costa do Marfim era preciso povoar o sector defensivo para travar o pendor ofensivo do adversário, por isso ter utilizado um sistema de 4-2-3-1, com dois médios defensivos, desta vez Conde pode usar o sistema tradicional de 4-4-2 ou mesmo o 3-4-3.

Ernan pode continuar a merecer a confiança do seleccionador, mas com possibilidades de entrar Ivan de início.

No sector defensivo, Zainadine poderá formar dupla com Martinho e na esquerda Edmilson, sendo Sidique ou Fidel na direita. Reinildo poderá subir para o meio campo na esquerda, deixando Kambala como único homem do centro do campo, enquanto Domingues seria o municiador e Witi na direita.

O ataque poderá estar entregue a dois Mambas, sendo Clésio e Luís Miquissone elegíveis, mas podendo ser ainda um dos dois acompanhados de Telinho ou Reginaldo.

O facto é que a equipa técnica dos Mambas conta com todos jogadores disponíveis para o embate desta tarde, onde a vitória é a palavra de ordem.

Ainda hoje, para o mesmo grupo dos Mambas, mas quando forem 21h00 de Maputo, os Camarões recebem a Costa do Marfim para a decisão de qual delas se apura para a última fase, de play-off, de qualificação ao Mundial do Qatar, em Novembro e Dezembro de 2022.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos