O País – A verdade como notícia

Mambas: a vez e a hora de Luís Gonçalves

O seleccionador nacional de futebol, Luís Gonçalves, faz a sua estreia no comando técnico dos Mambas esta quarta-feira, defrontando as Maurícias, em partida da primeira mão da pré-eliminatória de acesso à fase de grupos de qualificação ao Mundial 2022. Sem Domingues, mas com espírito vencedor, Gonçalves diz que não prometeu a qualificação, mas garantiu lutar para chegar à fase de grupos.

Será, de resto, a oitava partida entre as selecções nacionais de Moçambique e das Maurícias, no seu histórico de confrontos directos, onde os Mambas levam grande vantagem, desde o primeiro jogo realizado a 16 de Setembro de 1986. De lá para cá, os Mambas venceram quatro jogos, empataram dois e perderam apenas uma partida, o que revela a superioridade da equipa nacional diante do seu adversário.

Mas essa superioridade deve ser confirmada em campo, quando forem 16H30 de Moçambique, 18H30 das Maurícias, altura em que as duas selecções entram em campo para se defrontar.

Estas duas selecções defrontaram-se por sete vezes no seu histórico, com os Mambas a vencerem quatro jogos, tendo perdido um e empatado dois. O primeiro desses jogos foi um empate, sem abertura de contagem, na fase de qualificação ao CAN-86, tendo na segunda mão, em Maputo, o combinado nacional vencido por 3-0. Mesmo resultado verificou-se numa nova vitória dos Mambas em 1997, na campanha para o CAN-98, voltando a vencer as Maurícias, desta feita por 1-3, já em Porto Luís. Curiosamente nessas duas campanhas os Mambas se qualificaram à fase final, no Egipto, em 1986, em Burquina Faso, em 1998.

Depois disso, as duas selecções cruzaram-se no torneio regional da Cosafa, em 2006, onde registou-se o segundo empate sem abertura de contagem, antes de defrontarem na campanha ao CAN-2017. Na primeira volta, em Porto Luís, as Maurícias venceram por uma bola sem resposta e na segunda volta, em Maputo, já com Abel Xavier, Reginaldo marcou o único golo que deu troco a derrota sofrida.

Amanhã, para uma nova competição, até porque o momento da equipa não é bom, Luís Gonçalves convocou todo o esquadrão que actua fora de portas, à excepção da já anunciada ausência do capitão Dominguez.

 

Momento da viragem

Em um ano, o “onze” moçambicano fez 10 jogos, ganhou apenas dois, empatou quatro e sofreu igual número de derrotas. Um desempenho bastante fraco para os Mambas que viram-se arredados da qualificação ao CAN-2019, no Egipto, para além de terem sido precocemente eliminados do Torneio da COSAFA deste ano e do apuramento ao CHAN dos Camarões-2020.

E sem ganhar, vieram as consequências: o técnico luso-moçambicano, Abel Xavier, viu o seu contrato a não ser renovado e para o seu lugar foi promovido Victor Matine que, posteriormente, foi substituído por outro luso-moçambicano, Luís Gonçalves.

E para afirmar a sua autoridade e dar início a um novo começo, os Mambas de Luís Gonçalves jogam amanhã sem o capitão Dominguez, preterido da sua primeira convocatória por opção técnica.

 

Mambas reconheceram campo

Depois de uma viagem a dois tempos, ou dois grupos, os Mambas já estão completos para o jogo desta tarde, em Maputo, noite, em Porto Luís. Na segunda-feira de manhã chegaram os jogadores das equipas de Maputo e os da Beira, nomeadamente os guarda-redes Victor (Costa do Sol) e Franque (Fer. Maputo), os defesas Chico (Fer. Maputo) e Sidique (Desp. Maputo), o médio Kito (Fer. Maputo) e os avançados Maninho e Dayo (Fer. Beira) que em Joanesburgo juntaram-se ao médio Kambala (Baroka FC, África do Sul) para chegarem juntos a Porto Luís.

Já à noite, chegaram os quatro jogadores da UD Songo, nomeadamente o guarda-redes Guirrugo, o defesa Infren Matola, o médio Telinho e o goleador Luís Miquissone, que vinham no mesmo voo dos jogadores que actuam fora de portas: os defesas Mexer (Bordéus, França), Zainadine Júnior (Marítimo, Portugal), Edmilson (Cape Town, África do Sul), Reinildo (Lille, França) e os avançados Geny Catamo (Sporting, Portugal), Witi (Nacional, Portugal), Clésio Baúque (FC Gabala, Azerbaijão), Ratifo (CFR Pforzheim, Alemanha) e Reginaldo Faite (Skakthar, Cazaquistão).

Hoje de manhã chegaram a capital das Maurícias os médios Geraldo (Amora FC, Portugal) e Kamo-Kamo (Vitória de Setúbal, Portugal), que completam o leque dos disponíveis ao jogo desta tarde, de carácter importância para o combinado nacional, rumo a qualificação ao mundial de 2022.

Aliás, foram esses jogadores que desceram ao relvado do Estádio Anjalay para o primeiro treino, coincidentemente de reconhecimento do piso, para a partida da tarde desta quarta-feira.

 

Arbitragem do Burundi e comissário das Comores

A partida entre Maurícias e Moçambique será dirigido por um quarteto de arbitragem do Burundi, composto por Georges Gatagato, Hervé Kakunze, Emery Niyongabo e Thierry Nkurunriza, este último como quarto árbitro. O Comissário da CAF indicado para esta partida é das Comores e chama-se Soilihi Msahazi, enquanto o assessor da arbitragem é o zimbabweano Brighton Mudzamiri.

O jogo da segunda mão deste play-off de acesso à fase de grupos de qualificação ao mundial de 2022 realiza-se na próxima terça-feira, 10 de Setembro, no Estádio Nacional do Zimpeto.

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos