O País – A verdade como notícia

Maleiane diz que mais-valias da ENI dependem do grupo que avalia transparência

Falando, ontem, na sessão de perguntas ao Governo, Adriano Maleiane disse que o Governo espera pelo parecer do grupo internacional que avalia a transparência no processo, para poder encaixar os 350 milhões de dólares nos cofres do Estado. “Se tivéssemos que receber já os 350 milhões, nem chegariam para reabilitar infra-estruturas do país.

Portanto, o dinheiro é pouco e tem um destino, por lei, e não podemos usar esse dinheiro para outras aplicações. Devo explicar, também, que as mais-valias não são para o consumo. não vamos gastar, aumentar a despesa, porque tem mais-valias”, disse o ministro da Economia e Finanças.

Maleiane disse, também, que há uma nova lei sobre o sector empresarial do Estado que deverá ser discutida na Assembleia da República, com o objectivo essencial de limar as lacunas que se verificam neste sector. O instrumento surge numa altura em que várias empresas públicas e participadas pelo Estado têm estado a enfrentar problemas de gestão que resultam na deficiência em pagar salários, bónus, entre outras obrigações. “Esta proposta de lei tem três coisas importantes. Ela vai clarificar como e porquê o Estado deve criar empresas públicas, como é que se faz a governação dessas empresas, para que haja maior transparência e cumprimento da Lei de Probidade”, disse o governante, para depois acrescentar que, quando a lei for aprovada, algumas empresas terão de desaparecer, por não reunir condições prescritas no instrumento legal.

Governo contraria CTA e diz que mega-projectos não têm isenção de impostos

Na terça-feira, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) veio a público questionar o facto de o Governo ter decidido isentar os mega-projectos do pagamento de impostos durante 30 anos, com destaque para as multinacionais petrolíferas ENI e Anadarko. Segundo a CTA, os impostos contribuiriam para ajudar na rápida recuperação económica do país. Entretanto, ontem, o ministro da Economia e Finanças explicou, no Parlamento, que os mega-projectos que operam no sector mineiro e petrolífero não têm nenhuma isenção. “A única coisa que tem lá, e podemos discutir de novo, são as taxas, os impostos de produção, que quando trouxemos aqui, a Assembleia da República até aprovou que eliminássemos o desconto de 50 por cento”, disse o ministro da Economia e Finanças, para depois acrescentar que “temos a lei, que define os benefícios fiscais, portanto, esta questão está completamente ultrapassada”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos