O País – A verdade como notícia

Mais dois terroristas tombam em Cabo Delgado

Foto: O País

O ministro da Defesa Nacional anunciou a morte de dois terroristas e número não especificado de feridos, durante um confronto com as forças conjuntas que estão posicionadas no Teatro Operacional Norte. Disse ainda estar em curso uma investigação a militares acusados de roubo de dinheiro a bancos no distrito de Palma, em Cabo Delgado.

Cristóvão Chume avançou essa informação na manhã desta sexta-feira, na Matola, província de Maputo, depois de orientar, no Instituto Superior de Estudos de Defesa Tenente-General Armando Emílio Guebuza, a cerimónia de encerramento de cursos militares e cursos civis.

Na mesma ocasião, disse que o apoio das forças estrangeiras não é de longo prazo, pediu paciência aos moçambicanos para a pacificação total de Cabo Delgado e reiterou que as Forças Armadas de Moçambique estão a ter êxitos no Teatro Operacional Norte, apesar da ocorrência de ataques esporádicos de insurgentes em alguns pontos, como Nangade, Macomia, Mueda  e Muidumbe.

“Ainda esta manhã , estava a ser informado que, em Nangade, as nossas forças entraram em contacto com o inimigo, tendo colocado abaixo dois elementos do inimigo, incluindo também feridos e recuperamos algumas armas. Isso demonstra que, de facto, as nossas forças, incluindo as do Ruanda e da SAMIMI, estão passo a passo a acompanhar o movimento do inimigo. Neste novo momento, é preciso que o país tenha paciência”, disse o ministro da Defesa Nacional.

Quanto à investigação em curso para se apurar o grau de envolvimento e responsabilidade de 30 militares das Forças de Defesa de Moçambique, detidos devido à suposta conexão com alegados roubos a bancos no distrito de Palma em Março passado, Cristóvão Chume disse que é preciso deixar as instituições responsáveis pelo processo trabalharem e garantiu que não será tolerado nenhum militar indisciplinado.

“Quando a realidade vier à tona, penso que nós não vamos ter nenhuma responsabilidade naquilo que será decidido. O que nós queremos é que, nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique, não podemos dar espaço aos criminosos e indisciplinados, vamos dar garantia de que nenhum militar que seja indisciplinado ou que seja responsabilizado criminalmente permaneça nas Forças Armadas”, referiu.

Na cerimónia, foram graduados 150 militares nos cursos de altos comandos, Estado-Maior conjunto e promoção ao oficial superior e sete civis que  também encerram a sua formação nos níveis de Mestrado em várias áreas do saber.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos