O País – A verdade como notícia

Mais de mil crianças deixam de estudar ao relento em Gondola

Mais de mil crianças da Escola Primária Francisco Manyanga, em Gondola, deixarão de estudar em condições precárias, com a construção de salas de aula e apetrechamento com material didáctico modernizado.

Turíbia Alho, professora da terceira classe naquela escola, conta que, muitas vezes, viu o seu plano curricular ficar comprometido por causa da chuva.

“Aqui, quando chove ou faz mau tempo, não temos aulas. Isso é muito complicado. A situação começou a piorar quando o ciclone Idai destruiu algumas salas de aula”, disse.

É um sofrimento que tem dias contados, pois o Município de Gondola lançou, esta quarta-feira, as obras de construção de dois blocos com dez salas de aula cada, e prevê-se que, até antes do fecho do ano lectivo escolar, já esteja em funcionamento.

Segundo Arlindo Ngozo, edil de Gondola, além de salas de aula, o projecto contempla o apetrechamento das salas de aula, com carteiras singulares no quadro do novo normal, devido à pandemia do Coronavírus que obriga o distanciamento físico, além de bloco administrativo.

“Nós não queremos que as crianças de Gondola, sobretudo no território municipal, estudem em condições precárias. Tudo iremos fazer para tirá-las do chão e debaixo de árvores”, disse Ngozo, para quem a construção e apetrechamento de salas de aulas vai custar aos cofres da edilidade pouco mais de cinco milhões de meticais, resultantes de fundos locais e contribuição do empresariado local.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos