O País – A verdade como notícia

Mais de duas mil pessoas são diagnosticadas com lepra todos anos no país

Moçambique regista, anualmente, mais de dois mil casos de lepra, uma doença contagiosa mas ainda negligenciada. Este domingo é Dia Mundial de Doenças Tropicais Negligenciadas e Luta Contra Lepra. A saúde alerta para o risco desta enfermidade.

A lepra é uma doença contagiosa e assola vários países do mundo, inclusive os mais desenvolvidos. Ela faz parte de doenças tropicais negligenciadas e afecta mais de mil milhões de pessoas em 149 países.

Apesar do conhecimento que se tem das medidas de prevenção, o tratamento para algumas doenças tropicais negligenciadas nem sempre chega aos mais pobres no mundo.

Em Moçambique há 49 distritos onde a lepra é endémica, principalmente na zona norte. Ano passado, 2.065 pacientes foram diagnosticados com a enfermidade. Raul Viriato, residente na cidade de Maputo, faz parte dessa estatística.

Ele tem lepra há um ano e enfrenta uma batalha para estar livre da doença. Raúl deverá medicar durante um ano. Mas como é que ele descobriu a enfermidade? Segundo contou, de repente a cor da sua pele mudou e o corpo ficou inchado, principalmente o rosto. “Levei muito tempo para ir ao centro de saúde”.

No dia em que Raúl decidiu procurar ajuda médica, foi internado na maior unidade sanitária do país. No começo da doença, “era difícil ficar perto das pessoas”, mas com o tratamento, o problema está a passar paulatinamente e já consegue ir ao serviço.

Nos últimos quatro anos, as doenças tropicais negligenciadas mais predominantes em Moçambique foram filaríase linfática, chistosomia e parasitose intestinais. Afectam a população com dificuldades de sobrevivência devido à falta de recursos, facto que impacta negativamente na economia e perpetua a pobreza.

A chefe do Departamento de Prevenção e Controle de Doenças na Direcção Nacional de Saúde, Marília Massangaie, disse que o sector precisa de mais investimentos para acelerar a mitigação deste problema no país.

“Queremos ver Moçambique livre dessas doenças até 2030 e penso que estamos a caminho disso”, mas “sentimos que precisamos de muito mais recursos para fazer face a estas doenças”, explicou a fonte, alertando que algumas doenças tropicais negligenciadas podem agravar enfermidades como a sida e a tuberculose, bem como torná-las mais letais.

O mundo debate-se com mais de 20 de doenças tropicais negligenciadas, entre elas a Sarna, as Lombrigas, Raiva, Doença do Sono, Tracoma e acima de dois milhões de pessoas estão em risco de contraí-las.  

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos