O País – A verdade como notícia

Mais de duas mil pessoas continuam sitiadas em Dondo

Já passam 26 dias desde que o ciclone e as cheias se abateram pela zona centro do país, com maior intensidade na província de Sofala. Entretanto, ainda há comunidades no distrito de Dondo que ainda se encontram cercadas pela água. É exemplo disso o povoado de Nhamacungwir no posto administrativo de Mafambisse, no distrito de Dondo. São mais de duas mil pessoas que vivem em pequenas ilhas criadas pelas águas das cheias.

Quando a água chegou os residentes daquele povoado procuraram pontos altos na aldeia, a maior parte criados por murches que abundam naquela zona, para se salvarem da água. Os mesmos não beneficiaram de resgate por isso continuam a viver cercados de água e construíram pequenas cabanas para se abrigarem enquanto esperam a água baixar.

Porque a comunidade está isolada só no último Domingo recebeu a primeira ajuda alimentar composta por cem sacos de 25 kg de arroz, dois sacos de feijão e 209 sacos de farinha de milho de 10 kg cada. Hoje foi enviada mais ajudao. No primeiro carregamento um helicóptero da força áerea sul-africana levou 200 sacos de arroz de 10 kg cada e no segundo carregamento não foi possível apurar as quantidades.

A população correu em massa para a escola primária local onde ficou guardada a ajuda alimentar. Os líderes não distribuíram os produtos alegando que não tiveram nenhuma ordem para assim proceder. Por outro lado apontaram o facto de a quantidade não ser suficiente para pelo menos dar um saco para cada família, uma vez que residem naquele povoado quase 500 famílias. Por isso, preferiam esperar até completar a quantidade que pudesse ser suficiente para dar a cada família um saco de arroz, de farinha de milho, alguma quantidade considerável de feijão, óleo, sal entre outros produtos e que se não completarem continuariam a não fazer a distribuição.

Enquanto não se faz a distribuição, os residentes daquela região recorrem ao milho que retiram da água. Apesar do mesmo encontrar-se estragado e a germinar aproveitam preparar para dar de comer suas famílias mesmo sabendo que pode criar problemas de saúde principalmente para as crianças.

 A população diz não ter outra alternativa para matar a fome.

O povoado continua a consumir água não tratada retirada de pequenos poços que abrem nas zonas onde estão a residir, alegando não ter como adquirir produtos para purificar o precioso líquido ou ter acesso a água potável. Outra grande preocupação é que continuam, 26 dias depois, sem ter acesso aos cuidados de saúde primários.

Naquela aldeia reside um socorrista mas diz que sua casa onde guarda medicamentos e material para realizar exames rápidos de algumas doenças ficou inundada e perdeu tudo. Apesar da avalanche de pessoas que o procuram para aliviarem suas dores não tem como ajudá-las. Por vezes diz que circula a aldeia de canoas para ver os doentes mas sempre esbarra-se na falta de medicamentos para aliviar a dor dos seus pacientes. No local onde a população se aglomerava estavam alguns doentes que foram na expectativa de que chegaria medicamentos de helicópteros mas não.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos