O País – A verdade como notícia

Mais de 70 mil adolescentes morrem devido à gravidez precoce

Os nomes são fictícios, para proteger a identidade das adolescentes, mas as suas histórias são reais, com todos os seus dilemas. Todas iniciaram a vida sexual precocemente, fenómeno, entretanto, que permite múltiplas interpretações, desde socioculturais até económicas.

Lídia, 15 anos de idade, mora em Mahubu, distrito de Boane. A família recebe-nos e revela a pobreza que as poucas pessoas que ali moram enfrentam. A luta pela sobrevivência é regra. Entretanto, a intranquilidade toma conta da adolescente, que nos leva a um lugar mais tranquilo, porque, afinal, a situação não reúne consenso na família.

Frequenta a quarta classe. Não sabe ler, não sabe escrever o seu nome, não sabe o que quer ser. O seu corpo revela mudanças, mas a sua mente ainda é de uma criança. Aliás, Lídia reconhece que queimou etapas. “As pessoas dizem que eu não deveria engravidar agora, mas aconteceu. Eu quero voltar a estudar. Depois que o bebé nascer, vou deixar em casa do pai, porque ele não quer assumir a barriga”.

Uma em cada cinco mulheres no mundo tem filho antes dos 18 anos e, a cada ano, nascem 16 milhões de crianças de mães adolescentes. Em países subdesenvolvidos, como Moçambique, uma em cada três mulheres é mãe na adolescência.

Por detrás destes números, escondem-se muitas realidades. Gina é parte das estatísticas que revelam um problema que ocorre em todo o país, em diferentes estratos sociais. Engravidou aos 14 anos e descobriu que seria mãe. Seis meses depois, não estranhou as transformações no seu corpo.

Mora apenas com o pai e nunca teve informação sobre a sexualidade. “O meu pai não é aberto, nunca me falou sobre sexo. É difícil sustentar uma criança, principalmente porque o pai não quer assumir e não trabalha”, lamenta, cabisbaixa, a adolescente.

Em muitos casos, a vulnerabilidade e a pobreza tornam ainda mais difícil a tarefa de cuidar de um ser que de muita atenção e cuidado precisa.

Maternidade precoce

As mortes maternas relacionadas com a gravidez e parto em raparigas entre 15 e 19 anos de idade representam cerca de 70 mil óbitos por ano.  Segundo Páscoa Wate, directora do Departamento de Saúde da Mulher e Criança no MISAU, os dados do último inquérito nacional, realizado em 2015, referem que uma em cada duas adolescentes já esteve grávida ou teve filho; uma em cada duas mortes entre mulheres dos 15 aos 24 anos de idade e? por causas relacionadas com gravidez, parto e aborto.

Moçambique apresenta a mais baixa taxa de prevalência de contracepção, entre os países da África Austral, com apenas 25%, num ranking liderado por Zimbabwe, com 64.7%. O mesmo estudo revela que, no país, apenas 14.1 por cento dos adolescentes usam métodos contraceptivos modernos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos