O País – A verdade como notícia

Mais de 40 mil pessoas abrangidas pelo projecto de resiliência costeira no Grande Maputo

Foto: O País

Quarenta e três mil pessoas afectadas pelas mudanças climáticas, na zona costeira do Grande Maputo, vão beneficiar-se de um projecto de resiliência, lançado hoje e com duração de cinco anos. Segundo o Ministério de Terra e Ambiente (MTA), a iniciativa está orçada em seis milhões de dólares.

As zonas costeiras do Grande Maputo são vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas, dos quais causados pelo Homem.

O projecto, ora lançado, será implementado obedecendo a três pilares, nomeadamente a capacitação institucional, a consciencialização pública sobre matérias de resiliência e, por último, a execução das soluções.

Concretamente, estas acções vão abranger a Cidade de Maputo, da Matola, distritos de Boane e Marracuene e Matutuine.

Guilhermina Amurane, directora nacional de Terra e Ambiente, afirmou que, além das áreas mencionadas, o projecto poderá abranger outras zonas potencialmente vulneráveis a problemas ambientais.

“Estamos a ver outras áreas ribeirinhas que podem ser abrangidas pelo projecto. A ideia é capitalizar as iniciativas locais, para garantir a sustentabilidades das comunidades e do ecossistema”, disse Guilhermina Amurane.

A directora nacional de Terra e Ambiente disse ainda que um dos propósitos do projecto é o replantio dos mangais, porquanto esta biodiversidade tem sido severamente assolada pela destruição.

Amurane afirmou que a iniciativa vai também privilegiar implementação de soluções do uso sustentável dos mangais, o que passa por introduzir novas fontes de rendimento das comunidades, uma vez que abatem este ecossistema para a sua sobrevivência.

Segundo o inspetor-geral do Ministério de Terra e Ambiente, Wetela Jone, a iniciativa vai contribuir para a operacionalização das estratégias nacionais de adaptação e mitigação das mudanças climáticas.

“O projecto que hoje lançamos tem o potencial de servir de base de aprendizagem para o país, nesta nova abordagem de adaptação climática e redução de riscos associados”, afirmou Wetela Jone.

O representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Francisco Roquette, entende que a adaptação e resiliência nas zonas costeiras só será possível conhecendo as preocupações das comunidades.

O projecto, que tem duração de cinco anos, chama-se “Construindo resiliência na zona costeira, através de abordagens de adaptação baseadas em ecossistemas na região do Grande Maputo”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos