O País – A verdade como notícia

Maputo/KaTembe: Os dois anos de uma ponte (ainda) aquém das expectativas

Dois milhões e seiscentos e trinta mil viaturas atravessaram pela ponte Maputo/KaTembe, desde a sua inauguração, há dois anos. O número está aquém da projecção que o Fundo Nacional de Estradas tinha quando a infra-estrutura entrou em funcionamento.

A ponte trouxe ganhos na transitabilidade de viaturas e cargas, principalmente no que diz respeito à segurança na travessia de uma margem para outra na Baía de Maputo, comparativamente ao anterior cenário de uso do ferryboat.

A infra-estrutura é tida como a maior ponte suspensa de África e custou 785 milhões de dólares norte-americanos. A sua utilização contribui para o desenvolvimento socioeconómico dos dois polos.

Há 25 quilómetros do interior da KaTembe, a nossa reportagem conheceu o avicultor Luís Campos, que partilhou os ganhos do seu negócio antes e depois do surgimento da ponte.

“Eu cheguei a esta propriedade há mais de 20 anos, é evidente que sofri todos os problemas de transporte e chuva. Foram 20 anos de sofrimento. A ponte veio trazer-nos uma mobilidade fantástica, eu saio daqui de casa passados 20 minutos e já me vejo a tomar café na Julius Nyerere. E como avicultor bem como os agricultores, o transporte das aves é muito mais rápido, não há deteriorção, a estrada é óptima”, contou.

E acrescentou, “nós temos uma ponte fantástica mas eu penso que na óptica do utilizador. Eu como residente está tudo bem, eu frequento muito a ponte e por via disso gozo de algum desconto, ainda assim não deixa de ser muito caro. Existe quem não consiga suportar o custo da portagem, se baixassem o preço para metade os investidores e não só vinham mais para este lado”.

Por sua vez, Manuel Comé, nativo da KaTembe, mudou-se para capital Maputo e considera a ponte uma mais-valia.

“A ponte mudou muito a nossa transitabilidade, nós antes dependíamos do ferryboat, passamos mal quando o tempo estivesse mau, chuva não era fácil. Com a ponte podemos circular a vontade, várias vezes em segurança mas acho que deviam reavaliar o preço da portagem”, disse o jovem Manuel Comé.

E existe ainda quem prefira atravessar de barco, o motivo é comum, factor tempo.

“Para onde eu vou é mais rápido ir de barco, do que ir dar a volta, ir ficar na bicha (fila) na paragem, gasto muito tempo”, disse Domingos Raul, um dos utentes da ponte Maputo/KaTembe.

DESENVOLVIMENTO DO TURISMO

A ponte conjugada com a estrada circular melhorou, consideravelmente, o acesso às praias e a Reserva Especial de Maputo, tornando a margem sul da província de Maputo atractiva ao turismo.

“Não restam dúvidas de que a ponte Maputo/KaTembe foi um marco muito importante. Foi de importância crucial por vários motivos e eu vou falar do motivo que me interessa que é o desenvolvimento na área do turismo. Nós sabemos que a Ponta de Ouro é um dos destinos turísticos muito apetitosos, muito conhecido e um dos melhores que nós temos aqui no país. Temos a ligação com África do Sul que é outro ponto importantíssimo e no meio do trajecto temos também a Reserva Especial de Maputo”, anotou Noor Momade, presidente da Associação das Agências de Viagens e Operadores Turísticos de Moçambique (AVITUM).

Entretanto, e apesar da arquitetura bem-sucedida da ponte Maputo/KaTembe, que é um dos cartões-de-visita da cidade de Maputo, o jurista e também residente da KaTembe, Teodoro Wate, entende que a infra-estrutura deve ser gerida de forma sustentável.

“Hoje a KaTembe é uma cidade em miniatura, mas de facto existe um grande desenvolvimento”, apontou.

Para a economista, Inocência Mapisse, a redução do rendimento real das pessoas baixou, devido ao aumento do custo do transporte.

“Todos nos esperávamos que a ponte trouxesse um impacto negativo. Olhando apenas para este aspecto o impacto não foi positivo, as pessoas simplesmente tiveram uma deterioração do seu nível de vida”, referiu a economista.

Desde a inauguração até o dia 30 de Outubro último, já atravessaram pela ponte cerca de dois milhoes seicentos e trinta mil viaturas, dentre as quais 89% são viaturas ligeiras. Assumindo que todas as viaturas pagam as taxas mínimas significa que apenas com esta portagem, o Governo facturou pouco mais de 420 milhões de meticais em dois anos.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos