O País – A verdade como notícia

Mais de 260 milhões de crianças e adolescentes estão fora da escola

Assinala-se a 8 de Setembro, o Dia Internacional de Alfabetização. Por ocasião da data, a Directora-Geral  da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Audrey Azoula, escreveu uma mensagem na qual lembra uma frase do século XIX de Frederick Douglas, um escravo negro americano, que dizia: “Depois de aprender a ler, você estará sempre livre”.

Azoula descreve a alfabetização como o primeiro passo para a liberdade, para a libertação das restrições sociais e económicas. “É o pré-requisito para o desenvolvimento, individual e colectivo. Reduz a pobreza e a desigualdade, cria riqueza e ajuda a erradicar problemas de nutrição e saúde pública”, lê-se na mensagem.

A Directora-Geral da UNESCO lembra ainda que, nos últimos tempos, um progresso considerável foi alcançado em todas as regiões do mundo, e milhões de homens e mulheres foram retirados da ignorância e dependência através de um amplo movimento de alfabetização e da democratização do acesso à educação. No entanto, acrescenta que a perspectiva de um mundo em que cada indivíduo tenha conhecimento fundamental permanece um ideal.

“Hoje, em todo o mundo, mais de 260 milhões de crianças e adolescentes não estão matriculados na escola; seis em cada dez crianças e adolescentes – cerca de 617 milhões – não adquirem as competências  mínimas em literacia e numeracia; 750 milhões de jovens e adultos ainda não sabem ler e escrever – e entre eles, dois terços são mulheres. Essas deficiências seriamente debilitantes levam a uma exclusão de facto da sociedade e perpetuam a espiral de desigualdades sociais e de género”, lamenta na mensagem.

Face à evolução tecnológica, Azoula refere que para conseguir um emprego e responder aos desafios sociais, económicos e ambientais, as habilidades tradicionais de literacia e numeracia  não são mais suficientes; novas habilidades são necessárias, incluindo em tecnologia de informação e comunicação, estão se tornando cada vez mais necessárias.

“Preparar jovens e adultos para empregos, a maioria dos quais ainda não inventados, é um desafio. O acesso à aprendizagem ao longo da vida, aproveitando as vias entre diferentes formas de formação e beneficiando de maiores oportunidades de mobilidade tornou-se assim indispensável”.

Este ano, o Dia Internacional da Alfabetização é celebrado sob o lema "Alfabetização e desenvolvimento de habilidades", que está focado nessa abordagem em evolução para a educação.

A UNESCO refere estar activamente engajada na redefinição de políticas de alfabetização e incentiva práticas educacionais inovadoras. Por outro lado, apoia várias formas de cooperação entre os sectores público e privado, uma vez que somente uma compreensão abrangente da causa educacional pode permitir uma resposta adequada às necessidades de um mundo que parece se reinventar a cada dia.

Audrey Azoula exorta a todas as partes interessadas no mundo da educação e não só a mobilizar-se para que o ideal de uma sociedade global totalmente alfabetizada se torne uma realidade.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos