O País – A verdade como notícia

Mais de 100 vendedores retalhistas foram multados no mercado de Zimpeto

Mais de 100 retalhistas foram multados, na manhã desta quinta-feira, em resultado do incumprimento de uma ordem do Município de Maputo, que obriga a sua retirada do mercado grossista do Zimpeto, onde só é permitido o comércio a grosso.

O Município de Maputo diz que a decisão surge no decurso da reorganização do mercado e que já foi feito o levantamento de todos os revendedores a retalho, que diariamente se fazem ao mercado grossista do Zimpeto. Nas últimas duas semanas, as brigadas municipais estiveram a fazer o trabalho de sensibilização para a sua retirada daquele mercado.

Entretanto, no terreno, a realidade é outra. Contrariamente ao que o município pretende (um mercado grossista apenas para vendas a grosso), os retalhistas continuam no local.

Matilde Mbalate, retalhista há mais de 10 anos, diz que pagou a multa de 150 meticais exigida pelo município, mas não quer sair do Zimpeto.

“O município obriga-nos a sair daqui, mas não temos onde vender. Já fomos ao Matendene, mas lá os clientes não entram, por isso voltamos aqui, porque os nossos maiores clientes são estes que vêm fazer compras nos carros”, desabafou.

Os retalhistas mostram-se indignados com a decisão das autoridades, pois, segundo disseram, os “donos” do mercado saem para vender à beira da estrada e isso lhes desmotiva.

“Fiquei oito meses no mercado de Matendene, mas não entrava ninguém. Ainda tentei, mas não consegui. Só somava prejuízos, por isso decidi regressar ao mercado de Zimpeto, apesar da proibição”, disse Felizarda Nhansengo, acrescentando que, quando os fiscais “passaram por aqui, me passaram a multa e disseram para eu sair. Eu paguei, não sei se me deixarão ficar ou voltarão para me retirar.”

Por seu turno, o Município de Maputo diz que o processo de retirada dos retalhistas do maior mercado grossista do país é antigo. Na última segunda-feira, 9 de Agosto, todos os retalhistas foram avisados para se retirarem do Zimpeto, por forma a ocuparem os mercados já identificados, com especial destaque para o de Matendene.

Entretanto, esta ordem foi ignorada, tendo-se avançado para a fase de multas e notificação para retirada imediata do mercado.

“Como forma de desencorajar a ocupação do mercado de Zimpeto por retalhistas, o Conselho Municipal de Maputo está a multar as pessoas e convidá-las a abandonar o local, sob pena de serem retirados os produtos”, esclareceu Danúbio Lado, vereador de Desenvolvimento Económico Local, no Conselho Municipal de Maputo.

O vereador disse, ainda, que o município identificou vários mercados nas zonas circunvizinhas, para albergar os retalhistas “e um deles é o mercado de Matendene, onde há várias bancas desocupadas. De um universo de 405 bancas, apenas 45 estão ocupadas. Isto mostra que não há falta de espaços para trabalharem”.

Segundo o Município de Maputo, já foram catalogados cerca de 800 retalhistas no mercado grossista de Zimpeto, que devem abandonar o local, sob pena de se avançar para uma retirada coerciva nos próximos dias.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos