O País – A verdade como notícia

Mais de 1 milhão de crianças com futuro hipotecado devido ao trabalho infantil

Fotos: GPR

De acordo com a Primeira-Dama, Isaura Nyusi, em Moçambique, mais de um milhão de crianças são vítimas de trabalho infantil, tráfico de menores e vêem o seu futuro ser posto em causa em prol de ganhos momentâneos dos seus mentores e ou familiares sem consciência das suas acções nefastas.

Isaura Nyusi, que falava hoje por ocasião da celebração, no próximo sábado, do Dia da Família, afirmou que todas as possíveis justificações não retiram a verdade de que o trabalho infantil é algo prejudicial, que impede o desenvolvimento da criança, para além de contribuir para a sua exposição às situações degradantes e humilhantes, com risco de saúde e vida, negando-lhes o direito aos seus desejos, sonhos e perspectiva futuras.

“O trabalho infantil, ancorado nos aspectos de ligação familiar, vem ganhando uma forte inserção na nossa sociedade, querendo normalizar-se o anormal com recurso a justificações de cariz cultural e/ou tradicional que, porém, afectam negativamente o desenvolvimento da criança”, disse Isaura Nyusi.

Ainda em conformidade com a Esposa do Presidente da República, várias são as formas de pôr em causa os direitos da criança, a proibição de acesso à escola por parte da rapariga, o uso da mão-de-obra infantil para as actividades de rendimento familiar, entre outras. Estas acções põem em causa o destino das crianças, criando sequelas que afectam o rumo de toda a sociedade.

“Acreditamos que só com o nosso comprometimento com os direitos da criança é que podemos ousar eliminar certas culturas de exclusão, a vulnerabilidade social, a falta de estímulo da família, e o despreparo social da criança sobre a consistência do seu futuro”, acrescentou a Primeira-Dama.

 

“PRECISAMOS DE SER PROACTIVOS PARA PREPARAR FUTURAS GERAÇÕES”

Segundo Isaura Nyusi, sendo as crianças o futuro da nação, é só com atitudes proactivas, como a organização de um natal solidário, que a sociedade será mais unida e coesa, para preparar as futuras gerações de modo a encarar a sociedade com retidão, respeito e amor pela pátria.

“É dever de todos nós, como espelho das nossas crianças, produzir acções exemplares que possam despertar nas nossas crianças atitudes que lhes façam acreditar na facilidade da sua contribuição na construção de uma sociedade mais sólida, demonstrando que ajudar o próximo é um dos passos mais importantes para a construção de uma Nação”, enfatizou Isaura Nyusi, considerando que o Natal é um momento de expressão de amor ao próximo e gratidão através da exteriorização do agradecimento mais profundo, com os que nos são mais próximos, para renovação dos laços de familiaridade, amizade ou outra forma de ligação.

A Primeira-Dama instou os adultos, na qualidade de educadores de crianças, quer como parentes quer através das redes informais de aconselhamento da infância, entre outros, a cultivarem formas amáveis de lidar com as crianças vulneráveis, com vista a sua rápida inserção social, deixando como legado exemplos eloquentes para geração futura.

“A nossa contribuição individual na promoção dos direitos da criança não é uma acção isolada, pois, se cada um de nós, no seu dia-a-dia, contribuir com alguma acção que consolide os direitos da criança, as nossas acções em conjunto darão resultados cada vez mais abrangentes”, acrescentou.

Isaura Nyusi avaliou positivamente as instituições que lidam com a infância na promoção dos direitos da criança, endereçando-lhes o reconhecimento do Gabinete da Esposa do Presidente da República, bem com encorajando-as a continuar a lutar e influenciar as agendas nacionais para a inclusão da infância no topo das prioridades.

“A nossa luta, como sociedade, deve ser de criar capacidade institucional para eliminar a vulnerabilidade social, o desvio do bem-estar mental e incentivar a inteligência emocional, a participação escolar das crianças e adolescentes, valorizando a esfera doméstica, no precioso papel dos pais, em particular das mães na construção da personalidade na infância”, concluiu a Primeira-Dama.

Isaura Nyusi prestou estas declarações através do seu discurso de abertura da sessão de confraternização com crianças em Maputo, por ocasião da celebração do Dia da Família, que se aproxima, evento que abrangeu cerca de 200 criança. Na ocasião¸ Isaura Nyusi apelou a multiplicação de acções desta natureza e o respeito aos direitos da criança. As crianças beneficiárias são as vulneráveis, com algum tipo de deficiência e outras abandonadas pelos seus familiares.

Segundo o Secretário de Estado da Cidade de Maputo, Vicente Joaquim, presente no evento, não é apenas agora, que há acções para proteçcão dos direitos da criança, ou que mesmo que são proporcionados momentos de alegria.

“Só nos primeiros nove meses deste ano, na Cidade de Maputo, assistimos 22.260 crianças órfãs e vulneráveis em kites de produtos alimentares, material escolar e assistência medica e medicamentosa, ainda, durante o mesmo período foram assistidas nos infantários 330 criancas sendo 250 no infantário publico e 80 no infantário privado”, mencionou, o Secretário de Estado.

Ainda, segundo Vicente Joaquim, no período em alusão, foram também identificadas 300 crianças necessitando de abrigo, por isso, o Secretário de Estado da Cidade de Maputo prometeu, para o próximo ano, mais acções para minimizar o sofrimento dos petizes.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos