O País – A verdade como notícia

Mabunda contradiz-se ao explicar de onde conhece o có-réu Sidónio Sitoe

Foto: O País

Na tarde desta segunda-feira, no prosseguimento do interrogatório ao réu, o Ministério Público questionou a Fabião Mabunda se conhecia o có-reu Sidónio Sitoe. Mabunda disse que conheceu-o na cadeia. Entretanto, a sua empresa já tinha feito transferências para Sidónio Sitoe em 2013, de acordo com um extracto bancário na posse do Ministério Público.

Fabião Mabunda transferiu 11 milhões e 520 mil meticais a 29 de Agosto de 2013 a Sidónio Sitoe. Quando questionado sobre como fez a transferência para alguém que não conhecia, o réu disse que foi a pedido da co-ré Ângela Leão. “Eu tinha um valor dela em numerário no cofre do meu escritório e preferi fazer a transferência para ela. Não tenho o comprovativo porque quem guardava os documentos era o meu falecido irmão. Ele faleceu em 2014, e era ele quem cuidava da minha contabilidade. Quando fui detido o meu escritório foi encerrado”, justificou Mabunda.

Quando a magistrada do Ministério Público perguntou se o réu tem como ter o documento, através do seu advogado, Mabunda disse que os documentos ficaram ao relento e podem ter-se perdido.

A segunda transferência terá sido feita a 6 de Setembro de 2013, um dia depois de Mabunda ter recebido a segunda tranche da Privinvest.

Após uma certa insistência do Tribunal, o réu Fabião Mabunda disse ao Juiz Efigénio Baptista que os documentos que provam a recepção do valor em numerário, já não existem.

Ana Sheila Marrengula fez a leitura das declarações de Fabião Salvador Mabunda na Procuradoria-Geral da República, que mostram contradição quanto à relação que o réu tinha, à data dos factos com o co-réu Sidónio Sitoe. Mabunda disse que não reconhece as declarações que fez na PGR e diz que poderá ter feito as mesmas sob pressão.

“O Procurador me ameaçou e disse que a minha esposa podia ser constituída arguida. Porque transferi um valor para ela, para as despesas de casa. Um homem que se preze faz de tudo para defender a sua família”, argumentou o réu.

Sidónio Sitoe deverá ser ouvido na sexta-feira, 17 de Setembro, de acordo com o calendário do julgamento.

O Ministério Público confrontou Mabunda com um documento onde vêm descritas as transferências que fez a vários empreiteiros moçambicanos, no interesse de Ângela Leão. Entretanto, o réu diz que não se recorda de ter produzido um documento, onde vem descrito como gastou o valor recebido da Privinvest.

“Eu não usei o valor da Privinvest para fazer pagamentos. Usei o valor que tinha em numerário da Ângela Leão”, reiterou Mabunda.

Mesmo diante de provas materiais que indicam o recebimento, levantamentos e transferências na sua conta bancária, o réu diz que é inocente.

Perguntado sobre a relação que tem com co-réu Khessaujee Pulchand, Mabunda diz que estudaram na mesma faculdade, mas nunca tiveram nenhuma relação. Entretanto, Mabunda confirma a emissão de cheques a favor de Khessaujee Pulchand e diz que foi sob orientação do dono da casa de câmbios.

O réu, que está a ser ouvido desde a manhã desta segunda-feira, confirma, igualmente, transferências de valores para a conta de Mbanda Henning, irmã de Ângela Leão, a pedido da co-ré.

Ao Ministério Público, Fabião Mabunda garantiu que tinha contratos assinados com Ângela Leão, entretanto “não consigo apresentar o contrato agora”, respondeu.

Fabião Mabunda disse igualmente, que recebeu vários valores em numerário de Ângela Leão e por isso não sabe precisar quanto dinheiro recebeu no total.

Ao todo foram 140 questões colocadas pelo Ministério Público num interrogatório, que durou pouco mais de nove horas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos