O País – A verdade como notícia

Lutero Simango sugere uma economia livre e julgamento das dívidas ocultas credível

Foto: O País

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) quer que o Governo restabeleça a estabilidade económica e exige credibilidade no julgamento do caso das dívidas ocultas. O repto foi de Lutero Simango, presidente da terceira maior formação política no país.

Na sua comunicação por ocasião das festas do Natal e do fim do ano, Lutero Simango começou por desejar votos de uma boa quadra festiva a todos os moçambicanos. Mas, não tardou em usar da sua veia política e de um líder dum partido de oposição para falar de aspectos negativos que assolaram a população moçambicana durante o ano de 2021 corrente.

Para além de exigir restabelecimento da estabilidade económica e credibilidade no julgamento do caso das dívidas ocultas, Lutero Simango afirmou que o executivo moçambicano deve reduzir encargos fiscais, com vista ao estabelecimento de um ambiente empresarial favorável.

Segundo disse o líder político, o favoritismo nos negócios trava o desenvolvimento das pequenas e médias empresas, apesar destas serem essenciais para o fomento do ambiente económico.

Sobre a criminalidade, Simango falou dos raptos, apontando que as autoridades pouco fazem para esclarecer muitos casos. A transparência na gestão pública, o combate à corrupção, a criação de melhores condições de vida aos moçambicanos também dominaram os pronunciamentos de Lutero Simango.

“Está cada vez mais evidente que urge reinventar o Estado. Para tal, é necessário garantir que os poderes estejam devidamente separados”, disse Simango.

O discurso do líder do Movimento Democrático de Moçambique também esteve virado à produção agrícola, tendo referido que o sector ainda tem poucos investimentos.

‟O aproveitamento de matérias-primas agrícolas e o equilíbrio da balança comercial são essenciais para o crescimento do país”, reforçou Lutero Simango.

Para o líder do terceiro partido parlamentar, o país continua a ser assolado pela intolerância política, tendo apontado, por exemplo, o último caso de detecção das activistas na Cidade de Maputo.

Lutero Simango fez ainda uma radiografia sobre o gestão administrativa e territorial, tendo referido que a descentralização no país ainda se encontra num estágio frágil.

‟Moçambique precisa de um Estado menos centralizado, menos burocratizado e assente no princípio de valores éticos e morais. A descentralização deve privilegiar a transferência de poderes aos Governos locais”, considera Lutero Simango.

Entre retrospectivas de 2021 e perspectivas para o ano que se aproxima, Lutero Simango falou também da insegurança no país, tendo referido que o país está vulnerável e isso acontece por causa da fragilidade no controlo das fronteiras locais.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos