O País – A verdade como notícia

Lula diz que se vai candidatar às presidenciais de Outubro

O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva anunciou, através de um recado enviado desde a cela na Polícia Federal de Curitiba, onde está detido há um mês, que se vai candidatar às eleições presidenciais de Outubro próximo.

"Pediu-me que enviasse um recado aos jornalistas e os avisasse que é candidatíssimo", afirmou o ex-frade franciscano Leonardo Boff, um dos expoentes da Teologia da Libertação, depois da visita que fez esta segunda-feira a Lula, um seu "velho amigo", que lidera todas as sondagens para as próximas eleições presidenciais, escreve o Notícias ao Minuto.

"Lula avisou que só renuncia à candidatura no dia em que o juiz Sérgio apresentar uma única prova de que é o dono do apartamento; que enquanto, não houver provas, continua a ser candidato, porque quer voltar a governar para favorecer os pobres", acrescentou Boff, que teve de esperar vários dias até ser autorizado a visitar o ex-chefe de Estado.

Sérgio Moro deu por provado que Lula recebeu um apartamento de três pisos numa praia do Estado de São Paulo como suborno por ter favorecido a construtora OAS com contratos com a petrolífera estatal Petrobras.

Além da sua prisão para cumprir a condenação de 12 anos por corrupção e lavagem de dinheiro e de outros seis processos penais que enfrenta, a candidatura de Lula está ameaçada por uma lei que inabilita eleitoralmente condenados em segunda instância.

Apesar de esta inabilitação, o Partido dos Trabalhadores (PT), a formação que Lula fundou e lidera, já garantiu que vai inscrever a sua candidatura presidencial em Agosto.

O partido pretende também apresentar recursos no Tribunal Superior Eleitoral e no Supremo Tribunal Federal, para que lhe seja possível disputar as eleições, apesar de condenado em segunda instância, isto é, inabilitado.

Boff deu a entender que Lula não considera isto como um obstáculo e afirmou que Lula lhe pediu para dizer que é candidato e que, se vencer as eleições, vai repetir "as políticas para favorecer os mais pobres" dos seus dois mandatos e que as vai converter em "políticas de Estado".

Citada pelo Portal de Notícias do Senado Federal, a senadora Gleisi Hoffmann do PT, referiu que o partido lançará o ex-presidente como candidato do partido nas eleições presidenciais de 2018 e que é mentira que Lula não possa se candidatar.

Gleisi argumentou que a Constituição prevê a suspensão dos direitos políticos de qualquer pessoa apenas após o trânsito em julgado da decisão penal condenatória, o que não seria o caso do ex-presidente Lula. Além disso, explicou ela, a Lei da Ficha Limpa não impede que o ex-presidente participe do processo eleitoral, ainda que sub judice, enquanto houver possibilidade de recursos plausíveis para instâncias superiores.

Gleisi Hoffmann, que é presidente nacional do PT, aproveitou para cobrar do Judiciário as provas que serviram de base para a condenação do ex-presidente. Além de afirmar que não existem provas, ela criticou a forma como o processo foi conduzido e a pressa com que a prisão foi efectivada.  A senadora lembrou ainda que o próprio Supremo Tribunal Federal, ao decidir pela validade da prisão após decisão de segunda instância, determinou que é preciso mostrar que a manutenção do réu em liberdade representa algum risco para a sociedade, o que não se aplica ao caso do ex-presidente em sua opinião.

Para a senadora, o real motivo para a condenação de Lula é afastá-lo do processo eleitoral de 2018 já que o ex-presidente é o favorito no pleito e tem o dobro das intenções de voto nas pesquisas eleitorais que qualquer outro candidato.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos