O País – A verdade como notícia

Leão instala-se no Zinave para restauração do ecossistema

Uma armadilha fotográfica capturou recentemente a primeira imagem conhecida de um leão macho no Parque Nacional de Zinave (PNZ) durante várias décadas. O leão, que foi atraído para o habitat pré-rico do santuário de 18 600 ha que foi estabelecido dentro do parque, instalou-se desde então no santuário, significando como a notável restauração desta região selvagem outrora silvestre, naturalmente atraindo o principal predador de África.

Durante os últimos 10 anos, o Zinave, que foi dizimado por décadas de impactos humanos, tem sido o foco de intensos esforços de restauração e de reconstrução, tendo visto mais de 2.300 animais de caça, incluindo 200 elefantes, de 14 espécies de mamíferos a serem reintroduzidos no santuário.

Com a assistência de vários doadores diferentes, o programa foi acelerado ao abrigo de um acordo de co-gestão de 20 anos, assinado em 2015 entre a Administração Nacional de Áreas de Conservação de Moçambique (ANAC) e a Fundação Peace Parks, com o objectivo de reconstruir todo o parque de 408 000 ha e de o desenvolver para sustentar os seus próprios custos operacionais através do ecoturismo.

As populações de herbívoros reintroduzidos já floresceram para mais de 9 000 animais, restaurando rapidamente o equilíbrio ecológico do parque e atraindo os primeiros leões a chegar espontaneamente. Para além do macho, uma leoa também vagueava pelo santuário há vários meses.

“Este é um momento extremamente emocionante para Zinave e para a conservação em Moçambique como um todo. Os extensos esforços que a ANAC e a Peace Parks Foundation têm dirigido para restaurar e gerir o parque levaram a alguns resultados incríveis e à presença de leões é outro indicador claro da saúde ecológica de Zinave”, diz Maria Cidália Mahumane, coordenadora da Direcção-Geral da ANAC.

O leão fotografado é um jovem adulto do sexo masculino, estimado entre os 4 e 5 anos de idade. Os leões machos serão geralmente expulsos de um orgulho entre os 2 e 3 anos de idade, tornando-se nómadas e tentando estabelecer os seus próprios territórios e orgulhas. A imagem foi tirada numa armadilha fotográfica montada ao lado da vedação, perto de um dos portões de entrada do santuário, por Zinave Park Warden para a ANAC, Antonio Abacar.

Momentaneamente assustado com o flash, o leão carregou a fonte da perturbação e partiu a câmara, mas felizmente o cartão de memória permaneceu intacto para que a fotografia pudesse ser recuperada. Desde então, o leão instalou-se no santuário, com o pessoal do parque a deparar-se com presas mortas.

“A desestabilização e a falta de presas num ecossistema são as principais razões para a ausência de grandes carnívoros numa área. Desde que o parque iniciou as reintroduções de animais, e devido a esforços bem-sucedidos de protecção, o número de caça cresceu rapidamente e o ecossistema estabilizou o suficiente para acolher uma vez mais os predadores de ápice”, disse Bernard van Lente, gestor de projectos da Fundação Peace Parks para o Parque Nacional de Zinave.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos