O País – A verdade como notícia

Juristas processam Julião Cumbane por alegadas ameaças

Tudo começa com dois artigos de opinião e interpretação jurídica que Teodoro Waty e Teodato Hunguana escreveram, em torno do comunicado da Comissão Nacional de Eleições (CNE), divulgado a 21 de Agosto, que afastava as candidaturas de Venâncio Mondlane como cabeça-de-lista da Renamo e a AJUDEM, que tem como cabeça-de-lista, Samora Machel Júnior, da corrida eleitoral. Os dois defendiam que houve exageros de interpretação da lei nas decisões da CNE e que em bom rigor, as duas candidaturas deveriam ter outro destino que não fosse um afastamento.

O analista Julião Cumbane reagiu a essas opiniões também através de um artigo de opinião nas redes sociais, onde defendia que as opiniões de Hunguana e Waty são parte de uma campanha de conspiração para tomar o controlo do Estado. “Eis a razão porquê os dois (Teodato e Teodoro) não ficarão descansados enquanto não conseguirem colocar Samora Machel Jr. (Samito) como edil da Cidade de Maputo, para daí, possivelmente, o fazerem Presidente da República de Moçambique, para serem eles e a Graça Machel a ditar quem tomará o controlo dos negócios do Estado moçambicano”, refere a opinião de Cumbane, avançando mesmo que “se insistir demais, qual parece estar a fazer, o Samito vai ser sacrificado penosa e precocemente, qual ocorreu com seu pai”.

Julião Cumbane, professor universitário, refere que “a Frelimo nunca admitiu que dissentes ou pseudo-militantes das suas hostes ponham em causa as conquistas da revolução e do povo… Não será agora que vai admitir tais actos sem consequências traumáticas para algumas famílias, incluindo a família Machel”.

Com base nestas ameaças, Teodato Hunguana e Teodoro Waty pedem intervenção da Procuradora-Geral da República. “Este texto subscrito elabora sobre uma alegada conspiração destinada à disputa do poder no Partido Frelimo e nas eleições presidenciais de 2019, de que a candidatura de Samora Moisés Machel Júnior seria instrumental. Nesse contexto, tanto o meu texto de interpretação como a opinião jurídica do Prof. Dr. Teodoro Andrade Wate, são, de forma grosseira, insidiosa e malévola, qualificadas por João Julião Cumbane, como parte da alegada conspiração. Estabelecida essa conexão como causa ou pretexto, este senhor permitiu-se proferir ameaças à integridade física e de morte, a mim e ao ilustre Professor, além do principal visado: Samora Moisés Machel Júnior e respectiva família”, diz Teodoro Waty, no documento que submeteu ao gabinete de Beatriz Buchili na quinta-feira, acrescentando que “porque, tanto a alegada conspiração bem como a suposta participação na mesma pelos dois autores das opiniões jurídicas em causa, constituem tentativas de assassinato de carácter, que no nosso país, e em outras circunstâncias idênticas, constituíram autênticos actos preparatórios da perpetração de hediondos homicídios (Mbuzine e Prof. Gilles Cistac), tenho a honra de requerer a V. Excia que, no âmbito do seu múnus constitucional e legal, na prevenção e repressão da criminalidade, tome as diligências que julgar mais convenientes ao caso”.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos