O País – A verdade como notícia

Julgamento do “Caso Manish Cantilal” adiado após advogados abandonarem clientes em tribunal

Foi adiado para 15 de Fevereiro o arranque do julgamento sobre o rapto do empresário Manish Cantilal. A decisão foi tomada devido a ausência dos advogados dos três arguidos, que apontaram o atraso para o início da sessão, como a causa.

A sétima secção do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo (TJCM) tinha agendado para esta segunda-feira o arranque do julgamento de três arguidos acusados de participação no rapto de Manish Cantilal, em Fevereiro do ano passado.

A decisão de Efigénio Baptista, juiz que julga o caso, foi tomada devido à ausência da defesa dos arguidos.

“O julgamento foi marcado para às 10h00 e não para as 8. E os advogados dos réus permaneceram nas instalações do tribunal, das 10 até as 11h30, conforme o requerimento. Depois disso abandonaram o tribunal. Foram-se embora. Eu entendo que isso não é normal, para os advogados, todos em conjunto, fazerem o requerimento, justificando que a viatura que leva os arguidos demorou”, lamentou Baptista

O juiz revelou ainda que a defesa dos três arguidos pediu a transferência do caso para um outro tribunal. “O País” apurou que esse tribunal é o judicial da província de Maputo, onde os causídicos querem que o caso seja julgado.

“Mas é aqui na cidade de Maputo onde o rapto ocorreu. Na avenida Ho-Chi-Min. E o caso foi depositado nesta secção [7ª]”, justificou o juiz Baptista, que revelou ter sido considerada improcedente a pretensão dos defensores.
Dos três acusados de participação no crime contra Manish Cantilal, duas são mulheres.
O empresário tinha sido raptado em Fevereiro do ano passado, sendo que o Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC) resgatou Cantilal em Maio, 92 dias depois de ter estado no cativeiro.

No dia do resgate, Cantilal narrou os maus-tratos que sofreu, apontando que foi “amarrado na boca, pescoço e membros, depois mergulhado por várias vezes num recipiente contendo água”. Um martírio que viveu nos mais de três meses.

Espera-se que o julgamento dos acusados pelo crime esclareça questões sobre possível existência de mandantes, bem como a dimensão das redes criminosas.

Os crimes de rapto em Maputo eclodiram entre 2012 e 2013, sendo que as autoridades de justiça lutam contra esta forma de criminalidade, há muito considerada “organizada”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos