O País – A verdade como notícia

José Craveirinha, a luz multiplicada

Em resumo:

Já reparaste no século?

Quando te viu passar

tirou o chapéu.

Carlos Cardoso, Fevereiro, 1984 In Directo ao Assunto

Aqui estou perante o desafio de evocar as maíusculcas que inscrevem um dos maiores vultos da nossa jovem nação literária, ou porque não o maior vulto das letras desta imensa varanda à beira do índico, o Poeta José Craveirinha.

Há quinze anos as ondas sonoras da Antena Nacional da Rádio Moçambique anunciaram a morte do Poeta. Já não me lembro se foi Emílio Manhique, ou Hélder Izidine quem leu o noticiário matinal, com aquela odiosa notícia de 6 de fevereiro. O Poeta libertou-se da lei da morte, justamente três dias após a passagem data dos heróis. E ergueu o seu olhar, passando a contemplar-nos a partir da dimensão que só a eternidade permite. Quis registar algumas notas, a caneta e o papel conspiraram contra mim. Debalde.

Salvo bastas repetições da praxe cumpre-nos elevar bem alto a obra e todo legado deste Poeta. Quem nos sugere um plano curricular da formação de professores que dedique mais atenção à leitura como disciplina. Estando ainda em formação o candidato a professor quiçá terá maior profundidade para lidar com leitura, estimulando e potenciando as suas qualidades na sala de aula. Quem fala do estímulo à leitura na formação lança um prolongado olhar ao futuro e aos desafios diários que o professor enfrenta e não são poucos. A escrita terá nesta acção um aliado, multiplicando-se, de certo o Sia Vuma, há muito vaticinado pelo nosso infalível Poeta. Talvez por este caminho possamos desaguar no rio de um plano de leitura, e no farol das tentações que o ofício da escrita. Que será dos poetas e escritores quando os leitores escaresseiam?

Que será do doce olhar azul, oh Carol se nos falta prática da selfie com as palavras plasmadas no papel?

Poeta, a luz que se multiplica sem receio já há cinco anos repetiu o Camões para Moçambique. E corremos o risco saudável de repetir nos próximos anos porque temos Ungulani, João Paulo, Patraquim, White, Chiziane e uma nova vaga de escritores que em nada deixam a dever à criação literária. Os nomes o tempo, esse grande mestre tratará de os revelar, sem pressa.

Ainda ontem a Matola rejubilava em festa. Por ali o parque municipal leva o pomposo nome: Paque dos Poetas. E se convocassem artistas a erguer estátuas do trio José Craveirinha, Noémia de Sousa, Rui Knopfli naquele parque? E temos nós mais poetas que podem emprestar àquele lugar um selo de qualidade cultural digna dos grandes centros urbanos como pretende ser a minha cidade. É só ler as maiúsculas que a memória regista nas badanas do nosso jovem sistema literário.

Não resisto à tentação de registar um poema deste vulto em 3D:

MEMÓRIA DOS DOIS

Ambos

Juntos na mesma memória.

Eu

O Zé que não te esquece.

Tu

A Maria sempre lembrada.

In Maria,  (1988:55)

O Camarada Control que não nos deixe passar de Moçambique para dentro de Moçambique sem prestarmos a devida vénia à obra de José Craveirinha. Mesmo no My Love podemos acenar ao Poeta da Mafala lendo-os em voz alta. Ler o verso que mantém viva a obra de José Craveirinha porque ele estará verdadeira vivo e radiante se exercermos a leitura, com a mesma militância das selfies que clandestinamente plantaste aos gritos, como bem fez Luís Carlos Patraquim.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos