O País – A verdade como notícia

José Castiano propõe “institucionalização do diálogo”

O académico José Castiano propõe a institucionalização do diálogo, como mecanismo para uma verdadeira reconciliação nacional. O vice-reitor da Universidade Pedagógica (UP) de Maputo entende que é papel determinante da academia neste processo, mas atribui a grande responsabilidade, aos políticos.

O filósofo falou ao “O País” a margem da conferência internacional, que reúne em Maputo, académicos oriundos de países africanos de língua portuguesa, com vista a discutir sobre os nacionalismos na era de Eduardo Mondlane.

Sobre as re-significações do “Lutar por Moçambique hoje”, no contexto em que o desafio é a paz efectiva, Castiano fala da necessidade do diálogo ser institucionalizado.

“É preciso institucionalizar o diálogo para uma verdadeira reconciliação. Como é que isto se faz? Depende da nossa imaginação. Mas a academia tem um papel nisto” Disse o vice-reitor da UP Maputo.

“Vamos ver as instituições que saírem destas eleições como é que vão tratar a questão da reconciliação” acrescentou.

Para o académico, essa institucionalização seria a implantação do diálogo como uma cultura, em qualquer circunstância que seja. Nesse âmbito, a academia tem o papel determinante, mas é aos políticos, a quem Castiano imputa a maior responsabilidade.

Algo que é atestado por Filomeno Lopes, jornalista e filósofo da Guiné-Bissau. Um país que igualmente tem atravessado contextos adversos na sua política.

A decorrer entre esta quinta e sexta-feira, na UP Maputo, a conferência internacional sobre nacionalismos na era de Eduardo Mondlane, decorre em homenagem ao arquitecto da unidade nacional.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos