O País – A verdade como notícia

José Castiano entende não ser possível reabilitar escolas em três meses

O vice-reitor da Universidade Pedagógica de Maputo (UP – Maputo), José Castiano, entende que não é possível reabilitar as escolas do país em três meses. O académico diz ser necessário que o país se adapte ao novo normal, e que o ano lectivo não seja anulado.

As instituições de ensino no país tentam a todo custo providenciar condições necessárias para o retorno às aulas presenciais, embora as datas ainda não estejam definidas. O Governo assegura que consegue disponibilizar as condições de saneamento, em três meses, o que para o académico José Castiano não é possível.

“Não é possível. Eu não acredito que em três meses podemos garantir todas as condições nas escolas, principalmente nas primárias e algumas secundárias, como vimos e acompanhamos”, disse Castiano ao “O País”.

O vice-reitor da UP- Maputo afirma ser necessário que o país se adapte ao “novo normal” devido ao Coronavírus, o que também, no seu entender, significa não anular o ano lectivo.

“Eu não estaria a favor da interrupção do ano lectivo em si”, expressou, tendo sugerido que “temos a possibilidade de estender o ano lectivo até Dezembro ou Janeiro”.

Ainda sobre o ano lectivo, o académico disse entender também que a sua anulação pode configurar-se na destruição de muitos projectos, “porque interromper o ano lectivo são vidas e projectos que podem ser destruídos, em tanta gente que tinha diversos planos”, disse o filósofo, em proposta aos moçambicanos à nova normalidade.

“A nova normalidade é viver com COVID-19”, declarou, sublinhando que isso não implica ignorância às medidas de higiene e prevenção.

Para Castiano, o Coronavírus revelou fragilidades que o país tem em diversos sectores determinantes, o que deve servir de lições. Castiano elencou algumas como é o caso da fraca massificação das Tecnologias de Informação e Comunicação no ensino, bem como a desigualdade no acesso ao ensino no país.

“A preparação para a entrada na era digital foi atrasada, tal é o caso do ensino online, que em muitos outros países já avançou. E, em segundo lugar, esta pandemia veio colocar a nu as desigualdades no acesso ao ensino”, disse o filósofo, que ilustrou: “se você for em uma instituição de ensino privada e em outra pública, digo, em muitas delas, vai conseguir ver a diferença nas condições. E quando houver a abertura das aulas presenciais, os que têm menos condições vão continuar a se debater com questões mínimas como sanitárias, por exemplo, o que pode afectar o processo de ensino” afirmou.

Lembrem-se que a data para o retorno faseado às aulas estava marcado para 27 de Julho corrente, tendo sido feito o adiamento da mesma até que as condições sejam criadas. E Governo fala de 3.5 mil milhões de meticais disponíveis para tal.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos