O País – A verdade como notícia

Jornal Desafio: parto exaltante há 30 anos!

A ideia de dar corpo na Sociedade do Notícias a um jornal desportivo, em período de muitas carências no país, mas de grande exaltação desportiva, esteve muito tempo a “ruminar”. Os estádios andavam permanentemente em ebulição, os campeonatos dos bairros, das empresas e dos quartéis idem. Na primeira “luz verde”, o nome escolhido foi “Equipa”. Para corporizar a ideia, a equipa integrava Renato Caldeira como chefe de Redacção e dois repórteres: Alexandre Zandamela e António Marmelo, este a acumular as suas funções com as de repórter fotográfico. Quando tudo parecia estar a postos, a carência de papel inviabilizou. Se não havia matéria-prima para as publicações já existentes…

Finalmente, o parto sonhado

24 de Julho de 1987. Passam-se agora 30 anos. Finalmente, um sonho tornava-se realidade no país. O surgimento de um jornal desportivo. E na hora em que a velha rotativa lançou para o mercado essa publicação inteiramente dedicada a um fenómeno tão querido dos moçambicanos, a bicha à porta da SN começou bem cedo, para uma edição que só sairia à rua às 16 horas. José Catorze, o então director-geral da empresa, apesar de não ser um entendido na matéria, acumulava a direcção máxima do semanário.

A primeira “orientação”: cada pessoa da bicha, só podia comprar dois exemplares. A manchete: transferência de Chiquinho Conde para o Belenenses – a primeira legalmente autorizada pós-independência. Na última página, também pela primeira vez, falava-se de uma menina, um fenómeno de trancinhas Lurdes Mutola. Ela jogava nos juvenis do Águia d'Ouro, tinha um pé esquerdo terrível e “desgraçava” os futebolistas/homens das outras equipas. Deu então entrada na Associação um protesto, que culminou com a proibição de Mutola jogar nos federados com os meninos. Surgiu, em boa hora, a “mão” do falecido poeta José Craveirinha, que possibilitou o aparecimento da maior atleta moçambicana de sempre. Mas voltando ao lançamento do Desafio. O autor destas linhas, então com 38 anos, passou a chefiar editorialmente um projecto que poderia não durar, tendo em conta as experiências anteriores. Completavam a nova equipa redactorial, Boavida Funjua e Domingos Elias como repórter-fotográfico.

Desafio “pegou de estaca"

Cada letra e cada frase transportava um pouco de nós, os fazedores, após horas intermináveis de criação das matérias, revisão e “casamento” com as fotografias. Tudo acompanhado à minúcia até à paginação. E como estariam a reagir os leitores? Essa responsabilidade tirava-nos o sono, a tal ponto que eu, face à responsabilidade que tinha, bastas vezes “espreitar”, sem dar nas vistas, as reacções dos meus leitores, se eram de alegria ou desagrado.

O jornal cedo se popularizou e passou a bi-semanário, integrando novos repórteres dos quais vou recordar alguns: Homero Lobo, Rosa Inguane, Paraskeeva, Rui Rebouta, César Langa, Jeremias Langa, entre outros. Mas o mais importante é que tudo fazíamos para cobrir o máximo de actividades e modalidades. Cada modalidade, sobretudo as menos concorridas e de menor impacto, tinham no seu seio um “repórter” para nos fornecer os dados para as notícias. O mesmo acontecia com os bairros e até quartéis. Dois nomes me vêm à memória pela dedicação a esta causa: Horácio Sucena, do ciclismo e Hamilton Surtin do Xadrez, ambos infelizmente já falecidos.

Do sucesso deste empreendimento, um registo: uma quarta-feira à tarde, no campo do Maxaquene e durante um jogo de futebol, o público, numa avalanche que dava a entender alguma anormalidade, correu em massa em direcção aos portões. Eu que tinha participado no fecho do jornal nessa manhã, questionei a razão da correria. Disseram-me: “o Desafio acaba de sair”. Eram outros tempos e realidades, em que havia um grande nível de interesse, tanto pela leitura, como pelo desporto do país!

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos