O País – A verdade como notícia

Joaquim Lobo: a vez do único “sobrevivente” de Tóquio

Último moçambicano a entrar em cena nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, Joaquim Lobo, compete, esta sexta-feira, às 3h00 de Maputo (10h00 locais), na primeira eliminatória da prova de canoagem C-1 sprint de 1000 metros.

No Sea Forest Waterway (Tokyo 2020), o especialista na classe C1 e C2 na distância de 1000 metros terá como adversários, na terceira série, Ramos Roque (São Tomé e Príncipe), Balaz Adolf (Hungria), Sebastian Brendel (Alemanha), Martin Fuska (República Checa) e Jamael Nascimento (Brasil).

Há quatro anos, ou melhor, em 2012, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Joaquim Lobo caiu ainda na primeira eliminatória na prova de canoagem dos 200 metros “sprint”, ao terminar na sexta e última posição.

Lobo, lembre-se, fez a distância com o tempo de 44,94 segundos e, na sua segunda aparição no maior evento desportivo do planeta, o canoísta pretende melhorar a sua prestação e, quiçá, chegar o mais longe possível.

Joaquim Lobo assegurou a presença no maior acontecimento desportivo do planeta por força do voto de confiança que recaiu sobre si pelo Comité Olímpico Internacional, depois de cortar a meta no Campeonato Africano da modalidade atrás um tunisino cujos tempos e “ranking” estão abaixo das suas marcas.

O Comité Olímpico, que recorreu ao critério tripartido por si estabelecido, entendeu que Joaquim Lobo esteve num dia mau na competição acima referida, pelo que devia disputar as olimpíadas de verão, em Tóquio.

Lobo, estudante de engenharia informática em Coimbra, Portugal, fez parte da sua preparação para os Jogos Olímpicos no Fluvial sob a orientação do treinador e vice-presidente do Clube, Sérgio Bento. O canoísta aproveitou este ciclo igualmente para preparar a participação na Taça do Mundo de Velocidade, em Barnaul, na Federação Russa.

 

FASE FINAL DOS JOGOS OLÍMPICOS AO RUBRO

Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 continuam ao rubro. Com a contagem decrescente para o seu término a 8 de Agosto, cresce a disputa pelas medalhas e consequente hegemonia no desporto planetário. Atletas de Nações como a China, Estados Unidos da América e Japão esmeram-se para conquistar o pódio do medalheiro que a cada dia vai alterando no seu figurino.

Tal é o caso de Karsten Warholm venceu a final masculina nos 400m com barreiras, em atletismo, com um novo recorde mundial de 45,94 segundos. Rai Benjamin, dos EUA, ficou em segundo lugar com a prata (46,17 segundos), enquanto o brasileiro Alison dos Santos conquistou o bronze (46,72 segundos). Tanto Warholm quanto Benjamin ficaram abaixo do recorde mundial anterior, com o norueguês quase um segundo abaixo do antigo melhor mundial (46,70 segundos).

Esta quarta-feira o atletismo, a prova Rainha dos Jogos Olímpicos, continuará em destaque com a realização das finais dos 800 metros masculinos, triplo salto em masculinos, lançamento de peso masculino e o dia terminará com a aguardada final dos 200 metros masculinos.  No duplo hectómetro, a expectativa é ver se os finalistas conseguirão atingir o nível do Usain Bolt, que ostenta recorde do mundo (fixado em 19,19 segundos, em 2019, Berlim) e olímpico (de 19,30 segundos, de 2018, em Pequim).

Nas modalidades colectivas o destaque vai para a realização dos quartos-de-final. No basquetebol feminino, os EUA confirmaram o seu favoritismo diante da Austrália. Os Estados Unidos, que vencerem as últimas seis edições do torneio olímpico feminino, confirmaram o seu favoritismo frente à Austrália e venceram por 79-55, com Breanna Stewart a ser a melhor marcadora da partida com 23 jogos, a que juntou cinco ressaltos e três assistências.

Do lado das australianas, que já perderam a final olímpica para os Estados Unidos por três vezes, em Sidney2000, Atenas2004 e Pequim2008, a melhor marcadora foi Leilani Mitchell com 14 pontos, mais seis assistências e três ressaltos.

Os Estados Unidos vão defrontar na meia-final a Sérvia, que bateu a China por 77-70, com Jelena Brooks em destaque, com 18 pontos, enquanto do lado das asiáticas a melhor marcadora foi Ting Thao, com 17 pontos.

Já no andebol feminino o dia está também reservado para os quartos-de-final, com quatro jogos interessantes, a saber: Noruega – Hungria; Suécia – Coreia do Sul; França – Holanda; e Montenegro – Comité Olímpico da Rússia. Quatro jogos que reservam muita emoção, espetacularidade e resultados imprevisíveis. As grandes emoções dos Jogos Olímpicos, em época de pandemia e sem público nas bancadas, poderão ser acompanhadas nas plataformas da DStv e GOtv.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos