O País – A verdade como notícia

Interino

Escuro. Noite. Ele achegou-se com intenções claras. A mulher esquivou o olhar com timidez acesa de pirilampo. Pôs as mãos no peito do homem, defensiva, naquela recusa que atiça a libido. Sentiu a mão áspera percorrer-lhe a cintura. A carícia evoluiu para um leve arrepio, depois cócega:

– Hiiii!

– É o quê?

– Cócegas.

A mão avançou pelo trópico de capricórnio, entre a blusa e capulana, por onde o corpo se greta em estrias. Pelas dobras da cintura. Pelo trilho agradável do fio de missangas que lhe segurava os amuletos. Pelas listras da pele tatuada à lâmina com a caligrafia dos antepassados. Pelo rio de suor que lhe percorria as costas. Num súbito acesso de razão, repeliu-o:

– Pára!

O homem pressionou-a contra a árvore. Ela cedeu, naquela submissão sem inocência com que as mulheres adestram os machos. Abraçou-a. Adivinhou-a a fechar os olhos quando disse:

– Hmmmmm!

– É o quê?

– Sinto.

– Sentes? O quê? – Perguntava com  o lábio à porta do pavilhão e o a voz a humedecer-lhe o ouvido. A mulher estremeceu. Sentiu o suor da camisa do homem quando correspondeu ao abraço e pousou a cabeça no peito largo. Ouvia-lhe os batuques acelerados do peito.

– Sinto coesão!! Forte coesão entre nós.

O homem sorriu, encostou-se nela com mais malícia, convencido que “coesão” significa “coisa grande”.

Ela repeliu-o, sem sair do abraço e tentou, em vão, falar sem mel no tom de voz:

– Sabes… – Levantou a cabeça para olhá-lo nos olhos – sabes…

Ele calou-lhe com um beijo e continuaram ali,  duas silhuetas irrequietas, a fazer aquilo que os amantes fazem no escuro, ao luar, em noites quentes, húmidas e enluaradas, como aquela.

 

Um mosquito tentou protagonismo como em todas noites quentes, húmidas e enluaradas, mas não foi ouvido porque os beijos chiavam mais alto do que o zumbido e arfavam mais do que o croachar de rãs dum charco próximo.

A mão percorreu, sem permissão, os corredores do amor, a sala de espera, de reuniões, a secretaria… e antes que adentrasse em compartimentos vedados à estranhos, ela repeliu sem convicção na voz:

– Pára!

Como uma flor que se abre em pétalas a capulana desabrochou sem se desamarrar da cintura. A mão ousou pela pele arrepiada:

– Pára!

O homem parou subitamente. A mão desfaleceu, desapontado, quando percebeu, na coxa, a textura duma ceroula, daquelas intransponíveis com que elas decretam feriado no corpo e anunciam suas greves.

– Tira – sugeriu desesperado.

– Esquece – disse ela, com malícia no sorriso.

– Porque?

– Estou cansada de você me gastar…

– Eu sou teu namorado. É meu direito.

A mulher levantou o queixo e as sombracelhas, desafiadoramente.  Rebuscou o fundo da enciclopédia de conselhos maternais e atirou a frase mestre:

– Então me lobola.

Silêncio.

– Enquanto não me lobolares, és interino. Namorado interino. Se queres ser namorado efetivo, com direitos plenos, lobola-me.

O homem ficou a olhar, em silêncio, para o reflexo da lua nos olhos dela. Um mosquito segredou-lhe algo, na língua zumbida dos mosquitos, talvez a explicar o significado de “interino” que, no curto universo lexical, lhe soava à “inteirinho”. Não percebia como podia ser um namorado “inteirinho” mas não gozar de direitos inteirinhos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos