O País – A verdade como notícia

Indivíduos espancam suposto assaltante até morrer na Matola

Um jovem de 34 anos de idade foi espancado até à morte hoje, depois de ter sido confundido com um ladrão no bairro de Intaka, na província de Maputo. 

Em conexão com o caso dois principais indiciados estão detidos, confessam ter espancado a vítima na companhia de outras pessoas, mas negam ter-lhe tirado a vida.

Informações colhidas no local indicam que o caso deu-se na madrugada desta quarta-feira, quando o cidadão identificado como Mário Romão, de 34 anos de idade, introduziu-se no quintal de uma residência, depois de consumir bebidas alcoólicas e pediu licença na tentativa de perceber se estava lá alguém para supostamente poder roubar. No momento os indiciados dizem que se aperceberam da sua presença e a vítima recebeu golpes violentos de várias pessoas. No seu entender, eles dizem que não lhe bateram para perder a vida, mas sim dar uma lição.

“Nós não matamos aquele jovem, ele entrou nas nossas casas e queria roubar. Quando nos apercebemos e porque já vínhamos sofrendo de muitos roubos decidimos bater-lhe, mas não para matar e sim lhe educar. No estado em que lhe deixamos não era possível ele perder a vida”, referiu um dos indiciados.

Em contacto telefónico com o denunciante e pai da vítima, não se justifica a atitude dos indiciados, pois o seu filho não era ladrão.

“Meu filho acha mesmo que há razão de bater alguém até a morte? Porque pediu licença na casa deles? O meu filho não era ladrão e sempre foi uma pessoa boa e social, não levava nada de ninguém, por isso é que até agora não acredito que o meu filho foi morto”, disse o Pai da vítima.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Maputo diz que não tem dúvidas que o malogrado foi espancado até a morte pelos indiciados no processo.

“Fizemos um trabalho apurado e chegamos à conclusão que estamos perante o mesmo grupo que espancou até a morte o jovem encontrado sem vida aqui no bairro Intaka. Podemos assegurar que já temos pistas para a neutralização de outros indiciados neste crime. Estamos a aplicar todas as técnicas policiais e em momento oportuno havemos de anunciar. Devo dizer também que já abrimos um auto e o processo irá seguir os seus trâmites legais”, assegurou o porta-voz da PRM na Província de Maputo, Fernando Manhiça.

Fernando Manhiça pediu a colaboração da comunidade no combate ao crime que começa a ganhar contornos alarmantes na província de Maputo, tendo apelado aos populares para deixarem de fazer justiça com  as próprias mãos.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos