O País – A verdade como notícia

INATRO assume problemas na examinação de novos condutores

Foto: O País

O Instituto Nacional de Transportes Rodoviários (INATRO) reconhece que há demora no processo de examinação de candidatos a condutores, porém não vê relação de causa-efeito entre isso e o pretendido aumento dos preços nas escolas de condução.

Na última semana, as escolas de condução anunciaram que pretendem aumentar os preços, de cerca de mil Meticais, para ingresso e aprendizagem da condução rodoviária.

Um aumento que, para as escolas, tem muitas razões de o ser, desde os custos de produção e de combustíveis para o funcionamento dos carros de simulação. Mas, fora isso, as escolas dizem que, desde a eclosão da COVID19, o INATRO tem estado a ter muita lentidão para tramitar os processos de candidatos a condutores e isso faz com que estes tenham de ficar por muito tempo a frequentar as aulas, o que acarreta custos adicionais.

Entretanto, o INATRO, na pessoa do seu Presidente do Conselho de Administração, Chinguane Mabote, entende que essa não pode ser a razão, até porque “não há uma relação de causa-efeito”.

“Não há nenhuma obrigação para que as escolas dêem aulas acima do mínimo exigido”, ou seja, interpretando o que o INATRO está a dizer é que, mesmo que o processo esteja a demorar, as escolas devem deixar os alunos em casa à espera dos passos subsequentes.

Sobre a subida dos preços em si, o INATRO, até aqui, está de mãos cruzadas, porque a lei não lhe dá muito espaço para intervir. “Mas, claro, vai merecer uma reflexão crítica da nossa parte”, garantiu o PCA.

Isso não quer dizer que esteja tudo bem com os serviços. Há problemas, mas o Presidente do Conselho de Administração prefere passar a culpa aos outros. “Eu não estou satisfeito com os serviços prestados pelos nossos provedores, mas estamos a criar condições para intervir junto dos nossos técnicos”, disse Mabote.

E por falar em provedor, o INATRO, a estas alturas, não tem actualizações sobre o processo de pagamento dos 40 milhões de Meticais que o INATRO deve à Brithol Machcoma e, por conta disso, houve rescisão do contrato para impressão das cartas de condução.

Em todo o caso, o INATRO deverá anunciar, brevemente, um novo provedor dos serviços de impressão de cartas de condução, em função dos resultados do concurso que foi lançado após a rescisão do contrato com a Brithol, sendo que, neste momento, não há impressão de cartas definitivas no país.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos