O País – A verdade como notícia

INAE suspende 100 estabelecimentos de venda de bebida alcoólica

Mais de 100 estabelecimentos comerciais de venda de bebidas alcoólicas foram suspensos e 19 encerrados na primeira quinzena deste mês por violação do horário estabelecido para o seu funcionamento.

A violação das medidas contra a COVID-19 persiste e os proprietários de diferentes estabelecimentos comerciais, sobretudo bares, barracas, bottles stores e restaurantes, ignoram para além do horário de funcionamento, a lotação, as questões de higiene, para o desagrado da Inspecção Nacional das Actividades Económicas (INAE).

A título de exemplo, a 16 deste mês foram fiscalizados 146 barracas e 116 restaurantes e outros estabelecimentos de venda de bebidas alcoólicas, como bares e bottle store.

Em conferência de imprensa, o inspector da INAE, Tomás Timba, fez saber que “ o que nós constatamos é que esses estabelecimentos de venda de bebidas alcoólicas tem uma tendência de violar o horário de funcionamento, o que sucede é que fecham as portas no entanto, a actividade continua a ser exercida, principalmente, os bottle store”.

O sector de restauração foi, outro, abrangido pela suspensão e encerramento, uma vez que para além de excederem o horário de funcionamento, transformam a actividade de restauração para bar, e não vendem, apenas, bebidas alcoólicas.

Ainda segundo a INAE, no período em análise, foram suspensas as actividades de uma indústria de captação, tratamento e venda de água, na província de Maputo, devido “as péssimas condições de higiene”.

“A fábrica também estava mal localizada, pois funciona junto a um estabelecimento de venda de pecas e acessórios para automóveis e, no seu interior, foi encontrado muito material obsoleto que não faz parte da actividade, e constatou-se que esta indústria não dispõe de um laboratório de ensaio para controlar a qualidade da água, durante o processo de tratamento, e os trabalhadores não estão devidamente equipados”, arrolou Timba.

Sem revelar o nome da empresa, a fonte confirma que a indústria está devidamente licenciada e, este ano, outras duas empresas do mesmo ramo, uma na cidade de Maputo, e a outra, em Manica foram suspensas pelos mesmos motivos e usavam recipientes de outras marcas para encherem as suas garrafas.

Ainda neste período, foram apreendidas e destruídas sete máquinas de jogo de azar por serem usadas de forma ilegal.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos