O País – A verdade como notícia

Importação de matéria-prima afecta indústria avícola no país

O frango nacional já é consumido no país. Mas persistem desafios para que esse produto chegue à mesa de todos os moçambicanos e comece a ser exportado. Essas são algumas das ideias partilhadas esta manhã, no painel que discutiu o “Desenvolvimento e competitividade do sector avícola”, no último dia, da 3ª edição da Mozgrow.

O Secretário Executivo da Associação Moçambicana da Indústria Avícola (AMIA), Zeiss Lacerda, entende que o frango nacional já conseguiu penetrar nos mercados das grandes superfícies. “Isso deve-se ao facto de o frango nacional ter muita qualidade e, na maior parte dos supermercados já é possível encontrá-lo. Entretanto, continuamos com o desafio de ter a ração ideal para uma boa produção. Mas creio que em cinco anos podemos ter progressos e começar a exportar”.

Uma ideia partilhada por Rui Gomes, produtor de frango em Mahubo, na província de Maputo, “acho que atingimos o topo de produção e temos frango nacional no mercado. Temos que criar condições para que Moçambique produza insumos para avicultura, suficientes para este mercado. No entanto para mim o processo de exportação ainda vai demorar em torno de 20 anos ou mais. Temos muitos desafios”, disse.

Por seu turno Jorge Mondlane, CEO da Tongasse Alimentos SA, acredita que a autossuficiência de produção de frango é uma realidade que estamos quase a alcançar. “Precisamos de mais intervenientes no meio do processo de produção de cereais para avicultura. Nosso objectivo é chegar aos consumidores de baixa-renda. Porque a classe média e a alta têm uma diversidade de opções. Quando os mais carentes querem uma moela, patinhas, carcaça para levar à sua mesa. Por isso este segmento é o nosso foco, para que possamos chegar ao nível de o frango começar a ser um substituto do carapau, por exemplo. Se chegarmos a este nível, conseguimos começar a exportar, em 10 anos no máximo”, rematou.

Já Andrew Cunningham, fundador e PCA da Novos Horizontes, diz que Moçambique está muito perto da autossuficiência de frango nacional, “mas temos de ter formas de armazenar o milho para que durante todo o ano possamos alimentar o sector da avicultura”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos