O País – A verdade como notícia

IDE em Moçambique caiu 26% no ano passado

Em meio à austeridade e a questão mal-parada das chamadas “dívidas ocultas” que empurraram Moçambique para o descrédito no panorama internacional, 2018 fica marcado pela queda severa do IDE, segundo as contas apresentadas pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento.

No seu World Investment Report 2018, divulgado esta segunda-feira, em Genebra, a UNCTAD revela uma queda em 26%, para 2,3 biliões de dólares, do volume do Investimento Directo Estrangeiro (IDE) no ano em referência, face a 2017.

Antevendo, no entanto, um cenário promissor a longo prazo, uma vez que o país espera contar com o potencial de gás natural liquefeito a ser explorado a partir de 2023 e receitas internas. O carvão é outra matéria-prima que irá alavancar os investimentos em Moçambique.

Sobre a indústria do carvão, em particular, a UNCTAD aponta o consórcio de investidores chineses, britânicos e sul-africanos, cujos projectos estão em seu estágio inicial.

A queda do IDE no país é o reflexo da África Austral no seu todo. Nesta região, o relatório indica que houve queda em 66% no ano passado.

Na África do Sul diminuiu 41%, para 1,3 bilião de dólares, influenciado pelos baixos preços das principais commodities de exportação e incerteza política.

Neste país vizinho, os investidores dos Estados Unidos continuam sendo a maior fonte de IDE, em paralelo investidores europeus, liderados pela Alemanha e Reino Unido, permaneceram muito activos na África do Sul, por meio de iniciativas como reaproveitamento de fábricas da BMW.

Na Zâmbia, um contraste com a restante realidade da África Austral, com o IDE a aumentar em 65%, para USD 1,1 bilião, devido ao crescimento da indústria de cobre. O governo deste país, está empenhado em diversificar a sua economia para além do cobre, tendo anunciado a construção de uma fábrica de cimento no valor de USD 548 milhões e indústria alimentar.

ACORDO DO COMÉRCIO
Em Março de 2018, pelo menos 44 economias membros da União Africana (UA) assinaram o acordo de facilitação do comércio livre entre os países africano, conhecido por AfCFTA. Nigéria e África do Sul são grandes ausentes desse acordo.

Os sul-africanos, por exemplo, só assinaram a Declaração de Kigali (que é o documento que estabelece o AfCFTA). Se ratificado e implementado com sucesso, será o maior acordo do comércio desde a criação da Organização Mundial do Comércio em 1995.

O impacto do AfCFTA no IDE será principalmente em investimentos que não procuram commodities.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos