O País – A verdade como notícia

Human Rights reivindica segurança e dignidade para desalojados em Cabo Delgado

“As autoridades moçambicanas devem ajudar as pessoas que ficaram desalojadas e criar condições que lhes permitam regressar às suas casas voluntariamente, com segurança e dignidade” disse Dewa Mavhinga, director da Human Rignts Wach na África Austral, citado na página web da organização.

Segundo o relatório da organização não-governamental, Human Rights Wach, os ataques levados a cabo por grupos armados na província de Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, já mataram pelo menos 39 pessoas e desalojaram mais de 1000 desde Maio de 2018.
São centenas de refugiados que tiveram suas residências incendiadas por suposto grupo islâmico armado. Activistas locais contaram à Human Rights Watch que mais de 400 casas foram incendiadas nas últimas duas semanas, deixando desalojados em três distritos.

Só no mês de Junho, foram registados ataques na aldeia de Naúnde, no posto administrativo de Mucojo, distrito de Macomia, no dia 5, onde 164 casas, cinco carros e dezenas de cabeças de gado foram incineradas. No dia 6 de Junho, um grupo de homens armados invadiu a vila de Namaluco, no distrito de Quissanga, tendo assassinado seis pessoas e incendiado mais de cem casas, e houve um outro ataque na manhã de 12 de Junho na aldeia de Nathuko, em Quiterajo, no distrito de Macomia. 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos