O País – A verdade como notícia

Homens armados matam membro da PRM em Sofala

Homens armados apontados pela polícia em Sofala como sendo da auto-proclamada Junta Militar da Renamo (JMR), atacaram hoje uma viatura da corporação na região de Ciro, no limite entre os distritos de Nhamatanda e Gorongosa, ao longo da estrada nacional número um.

Segundo a PRM, do ataque resultou a morte de um agente das Forcas de Defesa e Segurança (FDS), ferimento de outros três e destruição total de uma viatura policial de marca Mahindra.

De acordo com Daniel Macuácua, porta-voz da PRM em Sofala, o ataque ocorreu cerca das 6.30 horas e foi "protagonizado por indivíduos armados que se presumem que pertence a auto-proclamada Junta Militar da Renamo”, liderada por Mariano Nhongo.

Os disparos foram direccionados contra a viatura da PRM, que na altura levava quatro ocupantes, todos membros da corporação.

“Houve de seguida uma troca de tiros, que infelizmente culminou com a morte de um dos nossos colegas que seguia na viatura e a destruição da viatura que foi incendiada pelos atacantes", explicou Macuacua.

Segundo a PRM, após o ataque foi enviada para o local da ocorrência, um reforço policial para socorrer os outros agentes.

"O trabalho efectuado culminou com a detenção de um indivíduo nas proximidades, que se presume que pertence a este grupo e a apreensão de três meios circulantes, nomeadamente uma viatura e duas motorizadas que podem ter sido usados pelos atacantes” detalhou o porta-voz, assegurando que “os trabalhos continuam no local visando neutralizar os outros integrantes da Junta Militar, a circulação de pessoas e bens foi retomada normalmente naquele troço de forma livre e com segurança".

Nhongo distancia-se do ataque

O presidente da JMR, Mariano Nhongo, negou qualquer envolvimento do seu grupo no ataque.
"Não fomos nós. Não sei com que base a polícia está a presumir que o ataque foi protagonizado pela Junta Militar. Sou presidente da Junta e os meus homens estão sob meu comando” reagiu Nhongo, por via telefónica.

“Apelamos a polícia a perseguir os malfeitores e puni-los exemplarmente, em vez de fazer acusações sem nexo” disse Nhongo, sugerindo que o ataque possa ser elementos fiéis a Ossufo Momade.

“A Renamo está dividida. Há um grupo que está com Ossufo Momade e outro está comigo. Talvez tenha sido os militares de Ossufo” acusou.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos