O País – A verdade como notícia

“Heróis de Dakar” homenageados em Lisboa

Fizeram história. Elevaram bem alto a bandeira multicolor de Moçambique na Arena de Dakar, Senegal. Fizeram o hino nacional, Pátria Amada, entoar bem alto no palco da 4.ª edição do CAN de futebol de praia.

Asseguraram, meritoriamente, a qualificação inédita para o Mundial de futebol de praia na estreia absoluta no Campeonato Africano da modalidade, competição na qual terminaram na segunda posição.

O seu feito continua, e outra coisa não seria de esperar, a ser exultado dentro de fora do país. Esta terça-feira, em Lisboa, Portugal, a selecção nacional de futebol de praia foi homenageada e premiada financeiramente no valor monetário de 150 euros para cada jogador.

A iniciativa pertenceu ao Embaixador das selecções nacionais de futebol na Europa, Cláudio Ventura, num jantar de confraternização que contou com a presença do Embaixador de Moçambique em Portugal, Joaquim Bule; Secretário de Estado de Desporto, Carlos Gilberto Mendes; presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Feizal Sidat; entre outras figuras.

Na ocasião, o Embaixador de Moçambique em Portugal, Joaquim Bule, manifestou total abertura para que o combinado nacional possa desfrutar de qualquer apoio sempre que estiver na terra de Camões.

Bule disse ter ficado satisfeito com o posicionamento dos elementos da delegação moçambicana em Nazaré, Portugal, palco do estágio pré-competitivo antes da heroica prestação no CAN.

Por sua vez, o Secretário de Estado do Desporto, Carlos Gilberto Mendes, enalteceu o feito e desafiou os jogadores a darem o seu melhor no Mundial, prova na qual terão pela frente adversários de grande gabarito.

Já o Presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Feizal Sidat, garantiu que esta agremiação irá criar todas as condições para que o país tenha uma boa prestação no Mundial da Rússia.

Regra geral, os presentes encorajaram o seleccionador nacional de futebol de praia, Abineiro Ussaca, a continuar a dimensionar esta modalidade, elevando as qualidades dos jogadores e colocando Moçambique na rota das grandes competições.

Participaram, ainda, no evento Zefanias Matavele e Lázaro Quinhas, desportistas que têm acompanhado a par e passo a evolução e desempenho das selecções nacionais de diversas modalidades.

Com a qualificação para a final do CAN de futebol de praia, Moçambique ganhou o direito de representar África no Campeonato do Mundo, prova a realizar-se de 19 a 29 de Agosto próximo, na Rússia.

Com uma campanha irrepreensível, Moçambique, inserido no grupo “B”, derrotou o Egipto por 7-5.

Os tentos dos vice-campeões africanos foram da autoria de Nelson, que assinou um poker, Rachide (bisou na partida) e  Fadil.

Na segunda jornada, a selecção nacional de futebol de praia derrotou as Seychelles, por 7-3, com tentos de Nelson (hatrick), Yuran (bis) e Fadil. Terrence, Tommy e Lourdy foram os autores dos golos das Seychelles.

Já na 3ª jornada, Moçambique bateu a sua similar do Marrocos por duas bolas a uma, num encontro equilibrado. Os golos de Moçambique foram da autoria de Nelson e Rachide.

 

NELSON EXULTA COM TÍTULO DE MVP

Chegou, viu e venceu. Nelson João, defesa moçambicano, foi o melhor marcador do Campeonato Africano de futebol de praia com um total de 10 golos, carregando, desta forma, a “bota de ouro”.

As excelentes exibições não passaram despercebidas aos olhos dos organizadores que, rendidos à sua classe, nomearam o internacional moçambicano como melhor jogador da prova. Uma distinção que recebeu com muito orgulho e agrado.

“Como imaginam, estou muito feliz, são títulos individuais que são fruto de muito trabalho, muita entrega, muita dedicação do meu grupo e toda selecção partindo dos técnicos, da federação, dos simpatizantes e pessoal que esteve comigo ao lado e a minha família em especial. Dedico estes troféus ao meu falecido pai”, disse o MVP do Campeonato Africano de futebol de praia.

Moçambique puxou dos galões nas meias-finais para arrancar uma exibição segura frente ao Uganda, adversário que venceu por 6-3. Boa bola. E, já na final, entrou mal diante do Senegal que não só se adiantou no marcador como também controlou o jogo.

“Infelizmente, não conseguimos virar o resultado e perdemos. Porém, isso não é motivo de tristeza, porque já alcançamos objectivo que é passar para o CAN e, daqui em diante, é só tentarmos corrigir o que não deu certo, as lacunas, os erros para que adiante tenhamos uma boa prestação”, justificou Nelson.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos