O País – A verdade como notícia

Hélder Muteia diz que já estão criadas premissas para consolidação da pátria e da nação moçambicanas

Foram lançadas, esta segunda- feira, em Maputo, duas obras de autoria do escritor moçambicano, Hélder Muteia. Com a primeira, intitulada “Como a História nos Fez Pátria e Nação”, o autor defende que o país registou avanços na criação das bases para a consolidação da ideia de Estadonação.

Muteia explica que, não obstante a diversidade etnolinguística e cultural de que Moçambique é característico, a pátria una e a história comum abriram caminho para a construção de uma cultura e identidade próprias.

“A conclusão que se pode tirar daquilo que eu escrevo, é que a história nos conduziu a uma situação que nós hoje somos uma nação, uma pátria, e que os moçambicanos estão a construir a sua identidade cultural,
social e política. Estamos, conjuntamente, a construir um ideal comum e esta é que é a minha perspectiva e há muitos desafios que os coloco nos diferentes textos para reflexão de cada um dos moçambicanos. Naturalmente que nenhuma pátria está encerrada em termos de construção. Este é um processo dinâmico, mas o mais importante é que, como Moçambique, nós já temos uma identidade, uma perspectiva, plataforma, história e sonho comum, que é de tornar esta pátria muito sólida e que pertença aos moçambicanos, livre dos grandes problemas que alguns deles nos afectam, que são os conflitos e as crises, mas juntos poderemos encontrar solução”, detalhou Muteia.

Não fugindo tanto à poesia ou ao conto, desta vez, o autor traz, também, uma análise sobre o país nas dimensões social, económica e agro-alimentar.

Já na obra “Passo a Passo”, a segunda, Muteia traz reflexões sobre algumas realidades do país, tais como a velha discrepância entre o trabalho e o salário, o comércio informal transfronteiriço, o mercado negro e o transporte público.

“Por exemplo, eu explico a natureza do fenómeno mukhero, que é uma realidade moçambicana e o seu impacto económico. Explico, também, o fenómeno ‘txova xita duma’, como se aplica no nosso contexto e qual é a sua origem. Explico o fenómeno chapa- 100 de forma didáctica e falo de outros conceitos económicos, como por exemplo, vantagens comparativas, competitivas no contexto moçambicano. Procuro trazer os temas que parecem complexos da economia e da sociedade e abordá-los de forma muito simples, digeríveis para o cidadão comum”, concluiu Muteia.

Hélder Muteia, natural de Quelimane, nasceu a 21 de Setembro de 1970, é escritor, político e profissional do sector agropecuário moçambicano.

Formado em medicina veterinária pela UEM, mestrado em agroeconomia pela Universidade de Londres, é coordenador da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) para África Central.

Entre as obras por si publicadas, constam “Verdades dos Mitos” (1988); “Nhambaro” (1996); “Sonhos ao Avesso” (2009); “Vozes de Sangue” (1988), “Reflexões sobre a agricultura, ambiente, desenvolvimento
rural e alimentação” (2015) e “O barrigudo e outros contos” (2018).

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos