O País – A verdade como notícia

Hélder Martins diz que país devia reduzir dias de quarentena e isolamento

Foto: O País

O argumento do antigo ministro da Saúde é de que a variante Ómicron revelou que o período de incubação do vírus é reduzido. Hélder Martins fala também das medidas de prevenção e diz que chegam sempre tardiamente, o que dificulta o controlo da doença.

“O recolher obrigatório é uma das medidas completamente injustificáveis. Não tem justificação nenhuma. Eu sempre disse isso e volto a dizer”. Voltou a dizer, explicando que o recolher obrigatório não tem nenhuma implicação no controlo da COVID-19. Uma visão já conhecida de Hélder Martins, antigo ministro da Saúde e antigo membro da Comissão Técnico-científica, que defende não haver horários para o vírus se propagar.

“Dizer que o restaurante deve fechar as portas às 21 horas ou às 22 horas é ridículo. O vírus tem horário para atacar? O que é preciso fazer é apostar naquelas medidas básicas de prevenção: a higiene das mãos é fundamental, é talvez a medida mais importante, a protecção facial com máscara e viseira”, defende Martins, que aventa a possibilidade de a nova variante Ómicron ser mais infecciosa por via dos olhos.

Num contexto em que a vizinha África do Sul aboliu quarentena e isolamento para infectados pela COVID-19 assintomáticos, para Martins a variante Ómicron veio mostrar que o período de incubação do vírus é reduzido, por isso “que se diminuam os tempos de quarentena e isolamento em função desta evidência científica que está a surgir agora”.

Redução dos dias de quarentena e isolamento, por um lado, por outro, o antigo governante questiona o facto de os apertos de medidas necessárias surgirem tardiamente.

“As medidas vêm sempre atrasadas. Elas não vêm antecipar o que é que vai suceder. Elas vêm quando uma parte da população já está contaminada”.

Hélder Martins antevê, no país, o pico da quarta vaga da COVID-19 ainda para este Janeiro. Contudo, lembra que há sempre risco de novas variantes da doença e mais perigosas.

Hélder Martins, que falava no programa Noite Informativa desta terça-feira, mostrou-se céptico em relação à obrigatoriedade da administração da vacina anti-COVID-19. Diz que é preciso se pautar pela persuasão.

Ainda no Noite Informativa, esteve também Naima Capão, administradora no Instituto Nacional de Petróleos, que explicou que, na exploração do gás, no projecto Coral-Sul, não se prevê a canalização do gás doméstico, porque seria muito oneroso para o Estado. Mas, com a plataforma que vai explorar o gás natural liquefeito, Capão aponta ganhos ao Estado de até 760 milhões de dólares por ano.

“Este projecto trará muitos ganhos para o Estado, estimados em 19 biliões de dólares durante a vida do projecto, que são 25 anos, com ganhos anuais de cerca de 760 milhões de dólares”, diz Capão.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos