O País – A verdade como notícia

HCB doa quatro milhões de meticais às vítimas do Idai

A Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), através do INGC, canalizou uma quantia de quatro milhões de meticais em resposta à situação crítica vivida no Centro do país.

A quantia visa prestar apoio às populações afectadas pelo ciclone Idai que assolam as províncias de Sofala, Manica e Zambézia, causando perdas de vidas humanas, de extensões de parcelas agrícolas e de infra-estruturas sociais e económicas, bem como de bens materiais de várias famílias.  

Em Sofala, mais de 10 mil pessoas residentes nos distritos  de  Nhamatanda e Búzi estão penduradas nas árvores e tectos das casas, desde o fim da tarde de Domingo, na sequência de inundações provocadas pelos rios Púngue e Búzi.

Os  caudais   do  Búzi e Mutua,  rios  localizado  na província de
Sofala, subiram  bruscamente  e as suas águas ganharam uma velocidade espantosa, desde a tarde do passado sábado. 

Celso Correia, Ministro de Terra Ambiente e Desenvolvimento Rural, que está a representar o Conselho de Ministro em Sofala, na operação de apoio às vitimas das inundações e do ciclone Idai, indicou que o impacto das inundações foi muito grande.

Os residentes da cidade da Beira procuram a todo custo  reerguerem-se da devastação provada pelo ciclone Idai. Nesta segunda-feira, iniciaram o seu trabalho do dia a dia debaixo de imensas
dificuldades, uma vez que falta de quase tudo, desde energia eléctrica, água potável, combustíveis e comunicação.

O pico da movimentação dos beirenses foi registado ao longo da manhã desta segunda-feira, quando centenas de funcionários do sector público e privado chegaram às suas instituições, que foram arrasadas pelo ciclone Idai. Assim, os colaboradores uniram esforços para repor
a  instituição  com limpezas que estão a ser desencadeadas por todos, sem distinção das categorias profissionais.

As vítimas do ciclone Idai, na cidade da Beira, não esperaram pela orientação das autoridades. Invadiram as instalações que acharam seguras, independente de serem públicas ou privadas.

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos