O País – A verdade como notícia

“Habemus” final: Ferroviário vs Costa do Sol

Ferroviário de Maputo e Costa do Sol protagonizam, próximo fim-de-semana, as finais do Torneio Nutrição de Basquetebol em seniores femininos e masculinos. É, nada mais, nada menos, que a confirmação do que se esperava.

O futuro pode não ser algo ao alcance de todos mas que Ferroviário de Maputo e Costa do Sol seriam os finalistas do Torneio Nutrição, não era preciso uma bola de cristal para se saber. A bipolarização do basquetebol feminino pelo Ferroviário de Maputo e Costa do Sol nas provas da capital do país (sobretudo, o Campeonato da Cidade) tem tantos anos como o número de anéis consecutivos conquistados pelas “locomotivas”: cinco.

Veja-se: desde 2015, um ano depois da extinção da temível e galáctica equipa da Liga Muçulmana e transferência (foi, na verdade, e passe o termo, divisão de atletas) de algumas atletas para o Ferroviário de Maputo e Costa do Sol que estas duas formações têm assumido o protagonismo na modalidade da bola ao cesto.

E aqui há uma diferença. As “locomotivas” levaram, com a excepção da derrota por 60-47 na final da Taça Maputo, em 2017, sempre a melhor nos duelos decisivos com as “canarinhas”. É verdade!

Reagiu sem qualquer azia o Costa do Sol a esta desvantagem nos confrontos com o Ferroviário de Maputo, no passado dia 24 de Junho corrente ano, em partida a contar para o Torneio Nutrição. Esteve mesmo a vencer por 15 pontos, mas não teve capacidade para, no final, evitar a derrota por 63-57, em desafio emotivo quanto impróprio para cardíacos decididos apenas no tempo extra.

Mas, a que propósito vem estes dados? Vem, pois, pelo facto de no próximo fim-de-semana Costa do Sol e Ferroviário de Maputo voltarem a disputar uma final, desta feita referente ao Torneio Nutrição.

É mais um esperado “tira-teimas” entre duas equipas com investimentos notáveis nos plantéis e ambições fortes de chegarem aos títulos.

E esta temporada, mais do que nunca, o Costa do Sol, e não há outro caminho, tem mesmo que se impor sob o risco do investimento realizado redundar em zero! Ou seja, os “canarinhos” estão cada vez mais pressionados a assumir, definitivamente, o protagonismo no panorama do basquetebol nacional com o grande investimento que fez na contratação de atletas de selecção nacional.

Ao apostar, ano passado, na contratação de Leonel “Mabê” Manhique como treinador em substituição de Deolinda Carmen Ngulela, “coach” a qual superiorizou-se na decisão do título e não só, o clube “canarinho” dava um claro sinal de querer chegar ao topo.

E esta ambição, claramente, ficou mais evidente ao contratar as atletas da craveira de Ingvild “Inga” Mucauro, MVP da última edição da Taça dos Clubes Campeões Africanos de Basquetebol. Ingvild é uma das melhores atletas da actualidade no país e, porquê não dizê-lo, no continente. Foi bastante influente para que o Ferroviário de Maputo colocasse África a seus pés em 2018, em Maputo, e 2019, no Cairo, Egipto.

Dilma Covane, que jogou no Ferroviário de Maputo e passou pelo Seward County Community College e Patriots University, nos EUA, e Eleutéria “Formiga” Lhavanguane, atleta com enorme potencial e que campeou no Ferroviário de Maputo, são os outros “ases” do baralho de Mabê.

A expectativa é grande, grande também é a curiosidade em saber se o “canário” dá o voo há muito esperado. Não se afigura nem tão pouco fácil. Pois é: melhor equipa de África, o Ferroviário de Maputo é um conjunto com jogadoras de grande gabarito que não ficam a dever nada ao país.

E tem como treinador um senhor basquetebol: Nasir “Nelito” Salé, ele que tem a missão de conquistar o “tri” em África e, imagine-se, o heptacampeonato nacional para “engordar” a sala de troféus nas esquinas entre as avenidas Albert Lithuli e 25 de Setembro. Os números, que não são apenas números, revelam a grandeza de um clube que já não perde há três anos. Nas meias-finais do Torneio Nutrição, mesmo sem acelerar, o Ferroviário de Maputo derrotou a A Politécnica por 64-25, enquanto o Costa do Sol aplicou “chapa 100” ao Maxaquene: 127-25.

 

MAIS DO MESMO EM MASCULINOS

Quando pressionados, respondem com alma de campeão. É isso mesmo! Com 1:20 segundos por se jogar, o Ferroviário de Maputo, pasme-se, perdia por seis pontos com o Maxaquene. Num jogo, lembre-se, em que até controlou e esteve a vencer por 17 pontos.

O conjunto de Milagre “Mila” Macome foi, na “catedral” do basquetebol moçambicano, forçado a recorrer aos tiros exteriores na última etapa do quarto quarto para vencer por apertados 83-79.

Esperada, igualmente, foi a passagem à final do Costa do Sol. Os “canarinhos” derrotaram, nas “meias-finais”, a revigorada equipa d’ A Politécnica (formada por juniores depois da razia sofrida nos últimos anos) por 90-79.

Em perspectiva, na final, um bom jogo no qual teremos duas equipas que protagonizaram a final da Liga Moçambicana de Basquetebol, em 2019.

Enorme, o Ferroviário de Maputo venceu por 3-0 no “play-off” da final a melhor de cinco jogos. Fez, digamos, o trabalho de casa o Costa do Sol que foi contratar alguns jogadores de nomeada para ter mais opções de ombrear com os seus adversários de grande quilate, sobretudo, o Ferroviário de Maputo que “papou” tudo nos últimos anos.

Os “locomotivas” têm a possibilidade de mostrar que a derrota, na fase regular do Torneio Nutrição, não passou de um acidente de percurso. O Costa Sol, esse, vai claramente com tudo para mostrar que tem uma palavra a dizer esta temporada no que aos títulos diz respeito.

FERROVIÁRIO DE MAPUTO, COSTA DO SOL, TORNEIO NUTRIÇÃO DE BASQUETEBOL

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos