O País – A verdade como notícia

Há escolas primárias sem aulas por falta de inspecção

Algumas na capital do país (cidade de Maputo) ainda não arrancaram com as aulas presenciais porque a equipa da inspecção não passou por elas. Nas que as aulas já iniciaram, a realidade é estranha para os alunos que procuram se readaptar a todo o custo.

A realidade é dura para os adultos, mas diferente e estranha para os alunos da sétima classe que voltaram às aulas presenciais esta segunda-feira…

Medir temperatura à entrada da escola, lavar as mãos antes de entrar na sala de aulas e andar de acordo com as marcas no pavimento pode representar dura realidade para os petizes, mas são regras necessárias para evitar a contaminação e propagação do novo Coronavírus que os alunos muito bem conhecem.

“É muita perigoso este vírus por isso devemos nos prevenir, manter o distanciamento social, evitar estar em sítios aglomerados” apontou algumas medidas, Acília Tembe, aluna da Escola Primária das FPLM, na cidade de Maputo.

E foi esta doença perigosa que os obrigou a ficar em casa por quase sete meses, período durante o qual as saudades foram se acumulando, mas a COVID-19 não deixou os alunos matá-la como era habitual.

“Não é fácil porque ficamos muito tempo, estamos com saudades e gostaríamos de abraçar, mas não podemos por causa do coronavírus”, disse Acília Tembe, reconhecendo ser, esta, uma realidade difícil de lidar, mas “temos que nos readaptar a essa forma de viver por causa da pandemia”.

O que também deixou de ser habitual são as brincadeiras que aconteciam no intervalo. As crianças estão a ter de se reinventar. “O nosso intervalo não foi muito bom porque não pudemos brincar com as outras crianças para assegurar o distanciamento, que nos impõe muitas limitações”, contou Célia Agostinho, aluna

Não podem fazer brincadeiras que envolvam algum tipo de contacto e essa tem implicação directa naquilo que era o espírito de partilha. “Por exemplo, podemos fazer a brincadeira de verdade ou consequência não é preciso abraçar o outro, distanciado dos outros podes brincar e a outra é a que se chama neca, não toca em ninguém. Brinca no teu canto”, enumerou Célia Agostinho.

O tempo máximo de permanência na sala de aulas é de uma hora e durante este período o professor deve ensaiar as novas metodologias de ensino, também trazidas pelo Coronavírus.

“Na verdade, não é fácil tendo em conta que temos que manter a distância de 1.5 metros e eu só posso terminar no quadro. Assim, através de alguns exercícios posso indicar um aluno que, mesmo estando sentado, pode-me explicar como resolveu certos exercícios”, explicou Lucas Timula, professor na Escola Primária Completa das FPLM.

O sino toca e chegou o fim de uma aula. É intervalo. Orientados professores fazem-se ao pátio, mas com circulação condicionadas. Os alunos só podem ficar defronte da sala, por cinco minutos, excepto os que queiram ir à casa de banho. Mas há outras coisas que foram sacrificadas em prol da prevenção da COVID-19. A lanchonete da Escola está encerrada.

“Não é permitido que todos os alunos saiam em simultâneo. Saem, em cada cinco minutos, dois pavilhões. Cada um deve trazer o seu lanche de casa. Nós mandamos encerrar a lanchonete porque as crianças iriam lá se aglomerar”, revelou Armindo Lissai, director da Escola Primária Completa das FPLM.

De longe ouve-se o som da enxada, acompanhada por uma conversa para descontrair. Professores e direcção da Escola fazem limpezas e os corredores vazios. É terça-feira e não houve aulas na Escola Primária Completa 25 de Setembro porque os alunos tem aulas apenas três vezes por semana.

“Os dias são alternados e nós, aqui na 25 de Setembro, os alunos têm aulas às segundas, quartas e sextas-feiras. Este horário é do conhecimento das autoridades e não vai comprometer o calendário escolar”, assegurou Albertina Guambe, directora da Escola Primária completa 25 de Setembro.

O acesso à Escola Primária Unidade 22, bairro Mafalala, cidade de Maputo é complicado…esta vala de drenagem com água turva e com um cheiro desagradável foi construído sem ter conta as facilidades para a entrada de alunos.

Já no recinto o silêncio é perturbador…as aulas ainda não iniciaram porque a inspecção ainda não passou por aquela instituição do ensino e sem datas previstas.

Ainda na capital, as aulas não arrancaram na Escola Primária de Maxaquene, onde, só esta terça-feira que a inspecção passou por aqui, contudo o reinício das aulas presenciais é uma incerteza.

“Iniciaremos as aulas ainda esta semana. Já foram criada todas as medidas de prevenção. Temos todo o rol de higienização, tivemos as capacitações com os professores e assim só aguardamos o retorno dos alunos”, avançou Cláudia Sitoe, directora da Escola Primária Completa de Maxaquene.

Entre discrepância dos dias de arranque das aulas e as várias estratégias de prevenção, assim decorre o processo de regresso as aulas no novo normal, na cidade de Maputo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos