O País – A verdade como notícia

Graduação de 257 mulheres pela USTM é uma mensagem positiva para o país

Foto: O País

Nas vésperas do Dia da Mulher Moçambicana, a Universidade São Tomás de Moçambique graduou, hoje, 321 estudantes, dos quais 257 são mulheres. Para a Primeira-Dama da República, Isaura Nyusi, trata-se de um recado contra a prática das uniões prematuras e privação das mulheres.

Na verdade, são mulheres que mergulharam no mundo da ciência, que hoje mostram o sinal da sua vitória.

Com canudo numa e buquê de flores noutra mão, cânticos efusivos e sorriso que rasga as máscaras, Lurdes Sumbane, de 58 anos de idade, foi a estudante mais velha da cerimónia de graduação.

Sumbane fala de um caminho sinuoso, durante os quatro anos de formação, que, na verdade, se transformaram em seis, devido a problemas familiares.

“Quem me incentivou a estudar foi o meu marido, pois ele sempre dizia – ‘não te vou dar peixe para comeres, mas dar-te-ei anzol para pescares’. Mas, quando eu fazia o primeiro semestre do terceiro ano, ele perde a vida e eu perco forças para continuar”, contou.

Durante meses, ela foi “atormentada” pela culpa de ter parado a escola, daí que decidiu retomar por onde parou.

“Hoje, estou aqui, venci e isso fiz, não apenas por mim, mas para dar exemplo aos meus filhos e familiares e dizer que a vitória se ganha no sofrimento”, concluiu.

Igual a Lurdes Sumbane, há tantas outras mulheres, mais velhas ou novas, mais ou menos abastecidas financeiramente, que buscam nos estudos a ferramenta para vencer as barreiras do preconceito baseada no género.

O exemplo disso é a também recém-graduada em Direito, Yara Afro, que concluiu o nível de licenciatura aos 21 anos de idade, o que fez dela a graduada mais nova.

“Eu estou feliz por conseguir este feito. Consegui terminar em tempo recorde e sinto-me pronta para seguir outros passos”, contou.

Questionada sobre o constrangimento de ser umas das tantas mulheres na turma e a mais nova, Yara conta que “não tive nenhuma situação, pelo contrário, eu sinto que a sociedade está cada vez mais aberta e há, inclusive, instituições que privilegiam a mão-de-obra feminina, o que é bom”.

Lurdes e Yara são parte das 257 mulheres graduadas pela Universidade São Tomás de Moçambique, esta quarta-feira (4), de um total de 321 estudantes.

No seu discurso, o reitor da USTM, Joseph Wamala, disse que a instituição que dirige continuará a apostar na formação das mulheres.

“São Tomás vai continuar a expandir as oportunidades de acesso ao Ensino Superior às mulheres, porque sabemos que elas buscam, no ensino superior, mais do que o diploma. Elas buscam a formação profissional, melhores oportunidades de emprego e buscam melhores condições de vida pessoal e familiar”, disse o reitor.

Por seu turno, a Primeira-Dama, que foi convidada ao evento, referiu que esta é uma mensagem contra as uniões prematuras e aos que privam as mulheres dos seus direitos.

“Graduar mulheres é graduar modelos para gerações mais novas, de homens, bem como de mulheres. Modelos que ensinem os homens a respeitarem e a valorizar a mulher e modelos que ensinem as mulheres a acreditarem em si mesmas e na capacidade de contribuir na construção de uma sociedade mais justa e menos desigual”, disse Isaura Nyusi.

Nos últimos três anos, 76 por cento dos estudantes graduados na USTM eram mulheres.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos