O País – A verdade como notícia

Governo vai criar lixeira provisória até a conclusão do aterro de Matlemele

A 19 de Fevereiro, 16 pessoas morreram devido ao deslizamento de lixo sobre residências em volta da lixeira de Hulene, em Maputo. O Conselho Municipal da Cidade de Maputo pediu apoio técnico e financeiro ao Governo para o encerramento da lixeira. O fecho definitivo da lixeira é tido como a única alternativa para que tragédias, como a ocorrida na semana finda, não voltem a acontecer naquele lugar.

O Governo prevê anunciar, dentro de 60 dias, o encerramento definitivo da lixeira de Hulene. O Município de Maputo e o Governo estão a trabalhar num plano de reassentamento da população. A garantia foi dada pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, à margem de um encontro mantido com o seu homólogo português.

Celso Correia diz que o encerramento da lixeira é algo urgente, “para ontem”. Devido a esta urgência será identificado um lugar provisório que servirá de lixeira. “O Governo propôs ao município a criação de um aterro controlado que irá funcionar durante oito a nove meses até a conclusão da primeira fase do aterro de Matlemele. A construção de um novo aterro não resolve o problema do aterro antigo. O aterro antigo deve ser intervencionado para garantir os níveis de segurança que o Governo deseja”, disse Correia.

Espera-se que a primeira fase nas obras do aterro de Matlemele fique pronta em 2019. Será colocada vedação em volta da lixeira de Hulene, para garantir que populares não tenham acesso a mesma. No momento, uma equipa da polícia municipal está a guardar o recinto. Quanto às famílias que residem em volta do aterro de Hulene, o Governo identificou uma área de 60 hectares em Possulane, distrito de Marracuene, na província de Maputo para o reassentar as pessoas afectadas.

“Não nos interessa reassentar famílias que depois não tem fonte de rendimento na sua nova aérea de inserção. Estamos preocupados com a sua reinserção económica, As famílias que ocupavam as áreas em volta da lixeira viviam deste negócio informal do lixo. É muito importante encontrar esta resposta para que elas não regressem a esta actividade”, explicou o ministro. O centro de acomodação do bairro Ferroviário acolhe, no momento, 155 famílias.

Celso Correia considera que as obras no aterro estão com bom andamento e que os prazos serão alcançados. Quanto a invasão do espaço por populares, o ministro deixou bem claro que não se pode comprometer o bem-estar social, e que medidas serão tomadas.

O novo aterro sanitário está a ser contruído em Matlemele na província de Maputo. Os municípios de Maputo e Matola estão a trabalhar conjuntamente no processo da nova lixeira, que irá servir os dois municípios.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos