O País – A verdade como notícia

Governo quer melhorar gestão dos aeroportos

Já há algum tempo que a empresa Aeroportos de Moçambique tem vindo a implementar uma série de reformas na gestão das suas infra-estruturas, apostando na expansão e modernização dos aeroportos. De olhos numa maior conectividade aérea e prestação de serviços de alta qualidade, os Aeroportos de Moçambique aliaram-se aos portugueses e franceses, cujo memorando de entendimento foi assinado esta segunda-feira, em Maputo.

O ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, destacou a experiência comprovada dos franceses da VINCI Airports, um dos líderes do sector aeroportuário internacional que gere 45 aeroportos nos mercados como os Estados Unidos da América, França, Reino Unido e Portugal.

“É nossa convicção que estes são os melhores parceiros para a definição da estratégia de desenvolvimento dos aeroportos moçambicanos. Por isso, vamos aguardar com enorme expectativa a conclusão do diagnóstico e recomendações do modelo de desenvolvimento dos principais aeroportos moçambicanos, no prazo acordado de 12 meses”, disse Mesquita.

O governante apontou, entre grandes desafios da empresa Aeroportos de Moçambique para os próximos anos, a manutenção em condições aceitáveis de operacionalidade e rentabilidade a imensa rede de infra-estruturas e património aeroportuário espalhada pelo país, cumprindo o seu papel de dinamizador da economia, impulsionando, assim, o desenvolvimento do turismo doméstico e internacional.

“Com este memorando, é nossa expectativa que os parceiros apresentem igualmente uma melhor abordagem para óptimas soluções de investimentos e de concessão para desenvolver os aeroportos, a médio e longo prazos”, vaticinou.

Já o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da empresa Aeroportos de Moçambique, Emanuel Chaves, referiu que o acordo tripartido será uma “grande oportunidade para a empresa poder incorporar e importar um conhecimento que Portugal e França têm na gestão das infra-estruturas aeroportuárias”.

O seu homólogo português, ou seja, o PCA da ANA-Aeroportos de Portugal, José Luís Arnaut, destacou as enormes potencialidades de turismo e cultura que Moçambique dispõem.

“Nós acreditamos seriamente nas potencialidades do desenvolvimento turístico, económico e da plataforma que Moçambique poderá representar da nossa experiência com a VINCI Airports, que foi muito positiva”, indicou.

Lembrando, de seguida, o percurso que levou a privatização em 2012, dos aeroportos lusos por um período de 50 anos, pela empresa francesa VINCI Airports, a mesma que prepara a sua entrada em Moçambique.

Essa parceria luso-francesa logrou grande sucesso até ao momento, tendo contribuído para aumento em quase o dobro o número de passageiros, que passou de 16 milhões de passageiros, em Lisboa, para 30 milhões, apenas em quatro anos.

Refira-se, que os aeroportos geridos pela VINCI Airports são servidos por mais de 200 companhias aéreas que movimentam mais de 195 milhões de passageiros.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos