O País – A verdade como notícia

Governo pondera prolongar calendário escolar até Novembro, com inicío em Janeiro 2021

O calendário escolar pode terminar em Novembro e não em Outubro, como tem sido habitual, para “recuperar o tempo perdido” na sequência da interrupção das aulas, desde Março passado, devido à COVID-19. Se assim for, o ano lectivo começaria em Janeiro de 2021. O habitual tem sido em Fevereiro. Mas qualquer decisão a ser tomada dependerá da tendência dos casos do novo Coronavírus. Até ontém havia 156 casos positivos no país. 

"Por estarmos desde Março sem aulas, por exemplo, pode ser que o ano lectivo não termine em Outubro, como é habitual. Podemos estender o calendário para finais de Novembro ou início de Janeiro de 2021. A evolução dos casos e a situação conjuntural é que nos vai ajudar a definir”, disse esta quarta-feira, à Lusa, Gina Guibunda, porta-voz do Ministério da Educa- ção e Desenvolvimento Humano (MINEDH).

A fonte explicou que quando foi declarado o Estado de Emergência no país, no dia 01 de Abril, o MINEDH previa que se retomassem as aulas a 04 de Maio em curso, mas tal não foi possivel por cau- sa do aumento de casos da pan- demia, o que ditou a prorrogação por 30 dias. E os casos do novo Coronavíus continuam a subir, colocando uma incógnita sobre o regresso dos alunos às escolas.

“Ainda não temos matéria para dizer que o ano lectivo vai ser anulado, trata-se de uma incógnita sim, mas nós estamos a tentar resolver essa equação em função dos dados que temos”, acrescentou Gina Guibunda, segundo a Lusa.

A responsável disse que o reajuste do calendário escolar, “vai ser estipulado um tempo para a revisão das matérias que têm sido veicula- das através das plataformas”.

No seu balanço dos primeiros 15
dias da segunda fase do Estado de Emergência, o Presidente da República, Filipe Nyusi, disse que “a não observância do cumprimento das medidas frustra a expectativa dos moçambicanos, o que poderá forçar o Governo a decretar, nos
próximos tempos, medidas mais duras e apertadas que as actuais que, por si só, também não se demostram fácies para todos nós”. Nyusi instou aos moçambicanos a “aderirem às regras de distanciamento [social] e protecção. Só com um comportamento responsável poderemos evitar o agravamento de medidas [confinamento]” e garantir “o regresso gradual à vida normal”.

O Chefe de Estado alertou ainda que “os próximos 15 dias são decisivos, para determinarmos qual será a nossa forma de estar depois do fim do período desta segunda etapa da emergência decretada, que termina no dia 30 de Maio”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos