O País – A verdade como notícia

Governo moçambicano espera “propostas firmes” pela mina de carvão da Vale até Dezembro

Os investidores interessados em comprar a concessão de carvão da empresa brasileira Vale, na província de Tete, vão apresentar “propostas firmes” até Dezembro, anunciou esta quarta-feira o ministro dos Recursos Minerais e Energia, Ernesto Max Tonela.

“Prevemos que, no próximo mês de Setembro, vários investidores interessados poderão fazer “due diligence”, visitando a Vale, o que vai permitir que, até finais de Dezembro, apresentem propostas claras sobre o projecto”, disse Max Tonela.

Considerando que o processo de desinvestimento da Vale em Moçambique poderá ser concluído em 2022, Max Tonela disse, também, que o Governo irá avaliar o potencial das empresas e pronunciar-se-á sobre o cumprimento da legislação moçambicana sobre esse tipo de transacções.

A operação de saída da Vale de Moçambique, que, segundo Max Tonela está a seguir o cronograma estabelecido, passou pela aquisição pela empresa brasileira da participação de 15%, detida pela japonesa Mitsui na mina de carvão de Moatize. Com o negócio, a mineradora brasileira passou a deter 100% da concessão de carvão de Moatize.

A transação visa facilitar o desinvestimento na exploração de carvão em Tete, anunciado pela Vale em Janeiro. A Vale justifica a sua saída com o objectivo de ser neutra ao nível das emissões de carbono até 2050 e reduzir algumas das suas principais fontes de poluição daquele tipo até 2030.

Dados da Vale referem que, apesar do plano de desinvestimento, a empresa está empenhada em incrementar a sua produção de carvão na província de Tete, das actuais 10 milhões de toneladas para 15 milhões de toneladas no  próximo ano.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos