O País – A verdade como notícia

Governo investe USD 4 milhões para salvar ecossistemas marinhos na costa moçambicana

As mudanças climáticas tendem a descontrolar o ecossistema marinho na costa moçambicana. E, para fazer face às alterações climáticas, o Instituto Nacional de Investigação Pesqueira lançou esta quinta-feira, em Maputo, um projecto denominado “ReMoTURB”, avaliado em quatro milhões de dólares.

O canal de Moçambique está a enfrentar alterações climáticas, cujo impacto já se faz sentir em diferentes pontos do país. Exemplo disso é a ocorrência, com frequência, de intensos ciclones nos últimos tempos.

Uma vez que, com as alterações climáticas, os oceanos também já se ressentem do aquecimento ou frio intenso em diferentes lugares, a distribuição dos ecossistemas marinhos tende a sair do controlo.

Neste contexto, o director do Instituto Nacional de Investigação Pesqueira, Jorge Mafuca, aponta algumas soluções que, segundo ele, não devem ser isoladas para colmatar o problema.

Como pontapé de saída, o Instituto Nacional de Investigação Pesqueira desenvolveu o Projecto de Pesquisa Marinha da Plataforma Continental de Moçambique, denominado “ReMoTURB”, que estará focado nos processos de descrição dos oceanos e recursos pesqueiros na costa moçambicana.

“Com esse projecto, pretendemos ir para o mar buscar dados que nos permitam dizer como é que estamos sob o ponto de vista de recursos pesqueiros. Mas também queremos fazer o uso de dados históricos que nos permitam dizer como é que estivemos até aqui e fazermos, depois, projecções para daqui a 100 anos  e vermos como é que nós estaremos com as esperadas alterações das mudanças climáticas”, explicou Mafuca.

A fonte avançou que o projecto está avaliado em quatro milhões de dólares, tem a duração de quatro anos e esperam-se encontrar soluções necessárias para responder às alterações climáticas que ocorrem ao longo do país.

Com o programa, espera-se, ainda, a produção de conhecimento que permitirá ao país saber qual é a direcção que vai ter de tomar, sob o ponto de vista dos recursos pesqueiros.

“Nós sabemos que o aumento da população de Moçambique, nos próximos anos, vai implicar maior necessidade de comida, mas, com essas alterações, nós não sabemos como é que, de facto, os animais vão comportar-se se houver maior ou menor produtividade, porque se  espera que, com essas alterações, alguns dos animais tenham de mudar a localização”, avançou o responsável.

Para além do projecto “ReMoTURB, Jorge Mafuca sublinhou que os esforços para a manutenção dos recursos marinhos continuam e, esta semana, foi lançado o programa de restauração do mangal, que tem sido devastado nos últimos anos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos