O País – A verdade como notícia

Governo incapaz de trazer resultados com comissão de inquérito

Uma semana depois das denúncias de exploração sexual de reclusas no Estabelecimento Penitenciário Especial de Mulheres de Maputo, em Ndlavela, o partido Renamo veio ao público discordar da inclusão do Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos na comissão de inquérito, criada para investigar as denúncias, alegando que “é incapaz de trazer resultados aceitáveis”.

Em conferência de imprensa, hoje, o maior partido da oposição defendeu a necessidade de se criar uma comissão de inquérito livre de influências dos implicados e que seja independente.

“O que nós estamos a advogar é que a comissão seja composta por pessoas idóneas, capazes de ir atrás da verdade e responsabilizar, exemplarmente, os implicados. O partido diz que não espera nenhum resultado. A experiência indica que o Governo é incapaz de trazer resultados aceitáveis, como já aconteceu em vezes anteriores”, disse José Manteigas, em representação da Renamo.

Na ocasião, José Manteigas condenou, ainda, o que chamou de actuação criminosa das Forças de Defesa e Segurança na luta contra o terrorismo em Cabo Delgado. O partido alega haver falta de comando e muita impunidade.

“Há envolvimento de agentes das Forças de Defesa e Segurança em assassinatos e maus tratos a cidadãos indefesos, bem como de agentes económicos com o objectivo de exigir resgates milionários, sob olhar impávido e sereno das respectivas chefias. A ausência de comando enfraquece o nosso Estado e consubstancia uma organização obsoleta”.

Na mesma conferência de imprensa, a Renamo falou sobre outros assuntos de actualidade nacional, a destacar a petição submetida ao Ministério da Indústria e Comércio por várias empresas do ramo do cimento, solicitando a redução do preço do material, motivado pela entrada em funcionamento de uma nova fábrica, a Empresa Moçambique Dugongo Cimentos.

A Renamo considera “descabido” o pedido das outras empresas, tanto que, através da sua liga juvenil, solicitou indeferimento junto ao ministro competente, o que espera ter provimento.

“Mais uma vez, aqui e agora, reiteramos esta posição e aproveitamos este ensejo para encorajar a empresa Dugongo Cimentos SA a praticar preços aceitáveis e confortáveis para o bolso do cidadão”, concluiu.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos