O País – A verdade como notícia

Golo madrugador gerido com “cabecinha”

O último da tabela, sem vitórias no campeonato, na casa do vice-líder. O que se poderia esperar? O inverso do que sucedeu, diga-se…com inteira justiça! Mérito para os gazenses que desceram à Machava para enfrentar “de peito aberto” o adversário, usando com arma principal o respeito, mas nunca o medo.

O Macuácua soube fechar os caminhos para a sua baliza, permitindo as subidas do opositor, sem que isso representasse, como se diz na gíria desportiva, a colocação de um autocarro diante do seu expedito guarda-redes. Daí que a surpresa só terá a ver com os “galões” dos contendores, pois no balanço dos 90 minutos, a tónica dominante foi o equilíbrio, face às exíguas soluções que a turma de Barrarrijo levava para atingir os seus objectivos.

O primeiro e único golo da partida foi madrugador, surgiu quando estavam volvidos apenas 3 minutos. Foi assim: o conjunto comandado por Nacir Armando beneficiou-se de uma grande penalidade, após a bola ter embatido na mão de um dos atletas da casa. Chewa rematou fraco, para defesa incompleta de César. Porém, na recarga, o mesmo jogador atirou para o fundo das malhas.

Os locomotivas de Maputo, como lhes competia, tentaram responder, iniciando a corrida atrás do prejuízo. Com maior posse de bola, iam tentando fazer as suas incursões, mas sem resultados concretos, pois na finalização cometiam vários erros.  
Registou-se durante largos minutos, um embate com muito pouco espectáculo para o público que em número razoável se deslocou ao Estádio da Machava.

II parte: gerir com “cabecinha” a vantagem

Veio o reatamento, com Lucas Barrarrijo a efectuar algumas substituições, demonstrando a sua disposição em reverter o marcador o mais cedo possível diante do seu público. É verdade que a turma actuava pressionando no meio-campo adversário, mas era um “pressing” que não provocava desequilíbrios, com raros momentos de emoção.

Reconhecendo que os principais factores em jogo lhes seriam desfavoráveis se priorizasse o alargar do resultado, o Macuácua ia gerindo-o com frieza e, sempre que as ocasiões aconselhassem, encetava contra-golpes para manter o adversário em respeito.

A ponta final demonstrou que nem com as mexidas no plantel o Ferroviário de Maputo ganhou capacidade para contrariar a história do jogo escrita aos três minutos, através de um ineficaz despejar de várias bolas para o sector recuado do adversário. A resistência dos gazenses estendeu-se até ao apito final. A Associação Desportiva de Macuácua chegava deste modo à sua primeira vitória no Moçambola ZAP, ao fim de 13 jornadas.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos