O País – A verdade como notícia

Fornecimento de energia: Zimbabwe deve a Moçambique USD 10 milhões

Foto: O País

A informação foi avançada, hoje, no final da visita que Emmerson Mnangagwa fez à Central Termoeléctrica de Ciclo Combinado a Gás de Maputo.

O Zimbabwe é um país com défice no fornecimento de energia eléctrica e Emmerson Mnangagwa está em Moçambique para buscar soluções para reverter este cenário. É nesse âmbito que o estadista visitou, esta terça-feira, a Central Termoeléctrica de Ciclo Combinado a Gás de Maputo. Acompanhado pelo PCA da empresa Electricidade de Moçambique, o presidente Zimbabwiano recebeu explicações de como funciona o empreendimento. No final da visita, Moçambique mostrou vontade de incrementar o volume de energia exportada àquele país.

“O Zimbabwe está, de facto, com uma crise energética e nós como vizinhos e parceiros temos a obrigação de ajudar, por isso temos vindo a dialogar com o país irmão para vermos outras formas de poder ajudar. Naturalmente, a energia da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB) é limitada, ela fornece a África do Sul, a Electricidade de Moçambique (EDM) e uma parte ao Zimbabwe, mas mesmo assim, não é suficiente. É nesse sentido que estamos a explorar outras fontes de energia e o gás é uma alternativa”, detalhou Marcelino Alberto, Presidente do Conselho de Administração da Electricidade de Moçambique.

Alberto destacou que a cooperação entre os dois países no sector de energia dura há longos anos e que o Zimbabwe é um parceiro a não descartar. “Somos parceiros há longa data. Em 1997 fizemos a interligação Moçambique-Zimbabwe, através da qual nós estamos a exportar para eles um total de 50 megawatts de energia e, inclusive, o contrato foi renovado há duas semanas e temos expectativa que este projecto da Central Termoeléctrica pode emprestar parte da sua capacidade àquele país vizinho”.

Mas o vizinho Zimbabwe está em dívida com Moçambique, não obstante ter pago boa parte dela no ano passado. “No ano passado, o Zimbabwe fez um esforço titânico para pagar reduzir a dívida com Moçambique, que estava no nível de 45 milhões de dólares, mas boa parte desse valor, isto é, 35 milhões foram pagos no ano passado, sendo que neste momento a divida existente é de 10 milhões”, garantiu o dirigente.

Lembre-se que este empreendimento foi inaugurado, por Filipe Nyusi, em 2018 e custou 180 milhões de dólares norte-americanos, sendo que 13 milhões foram disponibilizados pelo Orçamento do Estado e 167 milhões é uma dívida contraída ao governo do Japão que deverá ser para paga em 40 anos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos