O País – A verdade como notícia

Fome ameaça matar 426 crianças por dia

Sem nada para comer e bem próximas da morte é como poderão estar 67 mil crianças antes do final deste ano, prevê a Save the Children, uma organização não-governamental, tudo por conta dos efeitos da COVID-19 e outros factores que estão a afectar negativamente a África Subsaariana. O número de mortes, por dia, poderá atingir 426, estima a organização não-governamental.

“A insegurança alimentar foi agravada por uma série de choques este ano em partes do continente – desde inundações, enxames de gafanhotos e aumento dos preços dos alimentos, até deslocamentos. O impacto da COVID-19 acrescentou-se a esses factores, incapacitando economias e destruindo meios de subsistência, ao mesmo tempo que tornou os alimentos e serviços de saúde inacessíveis ou indisponíveis – no início deste ano, estimou-se que a COVID-19 aumentaria a pobreza na África Subsaariana em 23 por cento”, refere a Save the Children numa análise recente.

De acordo com o documento da organização não-governamental, baseada em dados retirados do Lancet, uma revista científica sobre medicina, torna-se urgente tomar medidas para evitar uma tragédia. No mesmo documento, a Save the Children estima que, até 2030, 433 milhões de pessoas poderão estar subnutridas em todo continente africano.

“Com os alimentos cada vez mais escassos, aumenta o risco de desnutrição grave entre as crianças. Antes da pandemia, mais de 26 milhões de crianças na África Oriental e Austral estavam atrofiadas e 2,6 milhões de crianças sofriam de desnutrição aguda grave – a forma mais letal de desnutrição. Na África Ocidental e Central, 15,4 milhões de crianças menores de cinco anos irão sofrer de desnutrição aguda grave este ano, um aumento de vinte por cento em relação às estimativas anteriores”, considera a análise.

Mesmo antes da pandemia, segundo a organização não-governamental, a África Subsaariana era uma das regiões com maior insegurança alimentar em todo o mundo. Caso as tendências continuem, espera-se que a região acolha mais da metade das pessoas com fome crónica do mundo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos